Porto Alegre, sexta-feira, 02 de outubro de 2020.
Dia Internacional do Notário.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 02 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

conjuntura

- Publicada em 09h20min, 02/10/2020.

IPC-S de Porto Alegre varia 0,67% no encerramento de setembro, aponta FGV

Cebola esteve entre as maiores influências negativas do indicador na capital gaúcha

Cebola esteve entre as maiores influências negativas do indicador na capital gaúcha


MARCOS SANTOS/USP/FOTOS PUBLICAS/DIVULGAÇÃO/JC
O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) de Porto Alegre variou 0,67% na última semana de setembro, revelou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta sexta-feira (2). Em relação à semana imediatamente anterior, a taxa permaneceu a mesma. No geral, o IPC-S registrou variação de 0,82%, uma alta de 0,12 ponto percentual na comparação com a terceira semana de setembro.
O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) de Porto Alegre variou 0,67% na última semana de setembro, revelou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta sexta-feira (2). Em relação à semana imediatamente anterior, a taxa permaneceu a mesma. No geral, o IPC-S registrou variação de 0,82%, uma alta de 0,12 ponto percentual na comparação com a terceira semana de setembro.
Os grupos de despesa que tiveram uma variação mais significativa do indicador foram Educação, Leitura e Recreação (1,94% para 2,41%) e Transportes (1,88% para 1,33%). Entre as maiores influências positivas individuais, destacaram-se a gasolina (5,90% para 3,74%) e Passagem Aérea (26,77% para 37,50%). Já entre as maiores influências negativas, Cebola (-20,91% para -15,06%) e Batata-Inglesa (-11,54% para -10,06%) foram destaques.
Cinco das sete capitais mostraram avanço no IPC-S: Salvador (0,20% para 0,45%), Belo Horizonte (0,62% para 0,97%), Recife (0,75% para 0,81%), Rio de Janeiro (0,66% para 0,81%) e São Paulo (0,84% para 0,97%). Além de Porto Alegre, cuja variação da taxa permaneceu nula, Brasília (0,92% para 0,89%) foi a outra capital a não ter acréscimo na taxa.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/png/2020/10/02/206x137/1_resumocap_2-9154720.png', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5f7711320d57f', 'cd_midia':9154720, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/png/2020/10/02/resumocap_2-9154720.png', 'ds_midia': 'IPC-S da última semana de setembro da FGV.', 'ds_midia_credi': 'FGV IBRE/JC', 'ds_midia_titlo': 'IPC-S da última semana de setembro da FGV.', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '289', 'align': 'Left'}
Comentários CORRIGIR TEXTO