Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 17h54min, 23/09/2020.

Bolsas de NY fecham em quedas fortes, com Covid, Fed e notícias corporativas

O índice Dow Jones fechou em queda de 1,92%, em 26.763,13 pontos

O índice Dow Jones fechou em queda de 1,92%, em 26.763,13 pontos


MARCELLO CASAL JR/ABR /JC
As bolsas de Nova York não mostraram sinal único no início do dia, mas pioraram ao longo do pregão e fecharam nesta quarta-feira (23) com recuos consideráveis. A disseminação da Covid-19 e seus riscos para a atividade, discursos do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) insistindo na necessidade de mais apoio fiscal e notícias de empresas pesaram, com as gigantes do setor de tecnologia bastante pressionadas.
As bolsas de Nova York não mostraram sinal único no início do dia, mas pioraram ao longo do pregão e fecharam nesta quarta-feira (23) com recuos consideráveis. A disseminação da Covid-19 e seus riscos para a atividade, discursos do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) insistindo na necessidade de mais apoio fiscal e notícias de empresas pesaram, com as gigantes do setor de tecnologia bastante pressionadas.
O índice Dow Jones fechou em queda de 1,92%, em 26.763,13 pontos, o S&P 500 caiu 2,37%, a 3.236,92 pontos, e o Nasdaq recuou 3,02%, a 10.632,99 pontos. O Nasdaq está em território de correção, caracterizado por queda de ao menos 10% em relação a um pico recente.
Certa realização de lucros foi em parte responsável pelo movimento de hoje, mas este se aprofundou à tarde, em quadro de menor apetite por risco entre investidores. Entre os setores, energia e tecnologia estiveram entre as maiores baixas. Tesla foi uma ação em foco, após evento com anúncios que não empolgaram o mercado, com baixa de 10,34%. Entre gigantes dos setores de tecnologia e serviços de comunicação, Apple caiu 4,19%, Amazon recuou 4,13% e Microsoft, 3,29%. Entre outros papéis importantes, Boeing fechou em baixa de 3,58% e, entre os bancos, Citigroup perdeu 3,33% e JPMorgan, 1,62%, em meio à notícia de que este pode ter de pagar multa elevada nos EUA.
Agentes como o Bank of America destacaram ainda o aumento da disseminação da covid-19 no país. Entre os dirigentes do Fed, o presidente Jerome Powell voltou a mostrar compromisso no apoio à atividade, mas foram renovados os pedidos de mais auxílio fiscal. Com o Congresso de olho nas eleições e, agora, na vaga a preencher na Suprema Corte, analistas dizem que ficou mais difícil avançar com a nova rodada de estímulos.
Antes do fechamento, o presidente americano, Donald Trump, acusou a oposição democrata de preparar uma "fraude" na disputa eleitoral e comentou que ela pode terminar na Suprema Corte. Trump não detalhou sua hipótese, mas em meio às declarações os índices acionários pioraram na reta final do pregão.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO