Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

conjuntura

- Publicada em 09h50min, 14/09/2020. Atualizada em 09h50min, 14/09/2020.

IBC-Br sobe 2,15% em julho ante junho, com ajuste, revela Banco Central

Indicador é conhecido como uma espécie de 'prévia do BC para o PIB'

Indicador é conhecido como uma espécie de 'prévia do BC para o PIB'


MARCELLO CASAL JR/AGÊNCIA BRASIL/JC
Após forte retração nos meses de março e abril, em meio à pandemia do novo coronavírus, a atividade econômica brasileira apresentou o terceiro mês consecutivo de alta. O Banco Central informou nesta segunda-feira (14) que seu Índice de Atividade (IBC-Br) subiu 2,15% em julho ante junho, na série já livre de influências sazonais. Em junho, o avanço havia sido de 5,32% (dado revisado).
Após forte retração nos meses de março e abril, em meio à pandemia do novo coronavírus, a atividade econômica brasileira apresentou o terceiro mês consecutivo de alta. O Banco Central informou nesta segunda-feira (14) que seu Índice de Atividade (IBC-Br) subiu 2,15% em julho ante junho, na série já livre de influências sazonais. Em junho, o avanço havia sido de 5,32% (dado revisado).
Os efeitos da pandemia do novo coronavírus sobre a economia, apesar de percebidos em fevereiro, se intensificaram em todo o mundo a partir de março. Para conter o número de mortos, o Brasil adotou o isolamento social em boa parte do território, o que impactou a atividade econômica. Os efeitos negativos foram percebidos principalmente em março e abril. Nos últimos três meses, porém, o IBC-Br já demonstrou reação. De junho para julho, o índice de atividade calculado pelo BC passou de 128,10 pontos para 130,85 pontos na série dessazonalizada. Este é o maior patamar desde março deste ano (131,76 pontos).
Na comparação entre os meses de julho de 2020 e julho de 2019, houve baixa de 4,89% na série sem ajustes sazonais. Esta série encerrou com o IBC-Br em 135,92 pontos em julho, o menor patamar para o mês desde 2009 (131,44 pontos).
Valor acumulado
Apesar do terceiro mês consecutivo de melhora na atividade econômica, o BC informou que o IBC-Br registrou queda de 2,71% no acumulado de maio a julho de 2020, na comparação com o trimestre de fevereiro a abril, pela série ajustada sazonalmente. O BC informou ainda que o IBC-Br acumulou baixa de 8,23% no acumulado de maio a julho de 2020 ante o mesmo período de 2019, pela série sem ajustes sazonais.
Conhecido como uma espécie de "prévia do BC para o PIB", o IBC-Br serve mais precisamente como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses. A projeção atual do BC para a atividade doméstica em 2020 é de retração de 6,4%. Este cálculo foi divulgado por meio do Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de junho. No Relatório de Mercado Focus divulgado na manhã desta segunda-feira pelo Banco Central, a projeção é de queda de 5,11% do PIB em 2020. O Focus reúne as projeções dos economistas do mercado financeiro.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO