Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Desenvolvimento

- Publicada em 03h00min, 03/09/2020.

Tecnologia exige planode investimentos na crise

João Pedro Rodrigues
O investimento tecnológico e a competitividade de mercado foram os temas de destaque na live do Tá na Mesa realizado pela Federasul nesta quarta-feira. O evento, que promoveu o debate acerca dos reflexos da pandemia nos planos e projetos de empresas, contou com a presença do presidente do Conselho Consultivo da Bibi Calçados, Marlin Kohlrausch, e do presidente do Conselho de Administração da Irani Papel e Embalagem, Péricles Druck.
O investimento tecnológico e a competitividade de mercado foram os temas de destaque na live do Tá na Mesa realizado pela Federasul nesta quarta-feira. O evento, que promoveu o debate acerca dos reflexos da pandemia nos planos e projetos de empresas, contou com a presença do presidente do Conselho Consultivo da Bibi Calçados, Marlin Kohlrausch, e do presidente do Conselho de Administração da Irani Papel e Embalagem, Péricles Druck.
Para os convidados, as plataformas digitais têm sido uma alternativa necessária em meio à crise e vêm contribuindo para o desenvolvimento das empresas. De acordo com Kohlrausch, os empresários, muitas vezes, têm uma resistência a este tipo de inovação. No entanto, isto, atualmente, já é uma realidade. "As pessoas não vão deixar de ir às lojas físicas. Isto é um complemento", opina. Devido aos investimentos no e-commerce, a Bibi Calçados passou a arrecadar mais de R$ 2 milhões mensais em vendas online de calçados infantis, valor que, anteriormente, era de R$ 300 mil. A empresa antecipou uma série de programas, principalmente na área digital: investiu na indústria 4.0, com softwares que facilitam a captação e gestão de dados sobre o consumo e as preferências de cada loja. Um novo estabelecimento 100% digital, sem contato físico ou presença de caixa, deve ser inaugurado em breve. "De modo geral, o que a empresa fez nesses cinco meses faria em cinco anos", disse. Diferentemente do setor varejista, que tem mais experiência em relação às plataformas digitais, a indústria chega um pouco mais atrasada neste meio. Segundo Druck, porém, esta transformação tem sido um assunto bastante presente na Irani, de forma que um dos poucos investimentos feitos pela empresa durante a pandemia foi quanto à migração para um sistema mais preparado para essa nova realidade. "Temos, hoje, uma plataforma pronta para esses desafios."
 
Comentários CORRIGIR TEXTO