Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

trabalho

- Publicada em 21h05min, 17/08/2020. Atualizada em 17h51min, 17/09/2020.

Correios entram em greve no Rio Grande do Sul por tempo indeterminado

Paralisação nacional conta com apoio de outros 15 sindicatos da categoria

Paralisação nacional conta com apoio de outros 15 sindicatos da categoria


FREDY VIEIRA/ARQUIVO/JC
Os trabalhadores de Correios do Rio Grande do Sul decidiram, em assembleia presencial da categoria na noite desta segunda-feira (17), na Praça da Alfândega, em Porto Alegre, entrar em greve por tempo indeterminado. A paralisação é nacional e até às 21h, outros 15 sindicatos já haviam decretado greve.
Os trabalhadores de Correios do Rio Grande do Sul decidiram, em assembleia presencial da categoria na noite desta segunda-feira (17), na Praça da Alfândega, em Porto Alegre, entrar em greve por tempo indeterminado. A paralisação é nacional e até às 21h, outros 15 sindicatos já haviam decretado greve.
Segundo o Secretário-Geral do Sindicato dos Trabalhadores de Correios do RS, Alexandre dos Santos Nunes, a mobilização é uma resposta à proposta da empresa que retira 70 cláusulas do Acordo Coletivo dos trabalhadores. "Tudo que conquistamos ao longo de 30 anos está sendo retirado. Isso demonstra um total desprezo pelo que representa o trabalhador de Correios para o Brasil, que mesmo frente a uma pandemia, continua nas ruas, de porta em porta, atendendo a população", afirmou Nunes, em nota.
Para o dirigente, a greve nacional demonstra a indignação dos trabalhadores com a empresa, "que não se preocupa em proteger os trabalhadores do coronavírus, impõe sobrecarga de trabalho, exige trabalho aos sábados e domingos , não testa os trabalhadores, mesmo os que conviveram com colegas afastados pela Covid-19 e que agora, ataca brutalmente os direitos da categoria".
Comentários CORRIGIR TEXTO