Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 15h27min, 12/08/2020.

Ouro se recupera do tombo e fecha em leve avanço, com ajuda de dólar fraco

Ouro para dezembro encerrou o dia em alta de 0,14%, a US$ 1949,00 por onça-troy

Ouro para dezembro encerrou o dia em alta de 0,14%, a US$ 1949,00 por onça-troy


VISUALHUNT.COM/DIVULGAÇÃO/JC
O ouro fechou em alta nesta quarta-feira (12) recuperando parcialmente as perdas robustas da sessão de terça, de mais de 4%. A sessão de apetite por risco desta quarta não foi suficiente para derrubar com força a demanda pelo metal precioso, que segue apoiado pelo quadro global incerto e pelo dólar fraco.
O ouro fechou em alta nesta quarta-feira (12) recuperando parcialmente as perdas robustas da sessão de terça, de mais de 4%. A sessão de apetite por risco desta quarta não foi suficiente para derrubar com força a demanda pelo metal precioso, que segue apoiado pelo quadro global incerto e pelo dólar fraco.
Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro para dezembro encerrou o dia em alta de 0,14%, a US$ 1949,00 por onça-troy - ainda abaixo, portanto, da marca de US$ 2 mil por onça-troy, atingida na semana passada. Ao longo dos negócios, o ouro tocou US$ 1.961,00 por onça-troy.
As incertezas sobre o caminhar da economia global, golpeada pela crise do coronavírus, têm mantido bastante aquecido o mercado de ouro, considerado um ativo seguro. O mergulho dos juros dos Treasuries nos últimos tempos é outro responsável pela escalada do metal precioso, na medida em que investidores podem buscar segurança com rendimentos maiores.
Na sessão desta quarta, especificamente, o dólar fraco também ofereceu suporte ao ouro, por tornar commodities mais baratas no mercado internacional para detentores de outras divisas.
Analista do Julius Baer, Carsten Menke defende que o mercado de ouro se tornou excessivamente otimista nos últimos tempos, por mais que os fundamentos sejam favoráveis. "O ouro e a prata são mais adequados para operadores de curto prazo do que para buscadores de portos seguros", alerta, em relatório enviado nesta quarta a clientes.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO