Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado financeiro

- Publicada em 08h14min, 07/08/2020.

Bolsas da Ásia fecham em baixa com novo capítulo de tensões entre Estados Unidos e China

As autoridades americanas propuseram regras mais rígidas para as empresas chinesas listadas nas bolsas de valores americanas

As autoridades americanas propuseram regras mais rígidas para as empresas chinesas listadas nas bolsas de valores americanas


JOHANNES EISELE/AFP/JC
As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em baixa nesta sexta-feira (7) reagindo a mais um capítulo das tensões comerciais entre Estados Unidos e China. Na quinta à noite, o presidente Donald Trump emitiu ordens executivas determinando que transações dos Estados Unidos com as empresas chinesas Tencent e ByteDance - controladoras dos aplicativos WeChat e TikTok, respectivamente -, sejam interrompidas em 45 dias. Recentemente, a Microsoft expressou interesse em comprar as operações americanas da TikTok.
As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em baixa nesta sexta-feira (7) reagindo a mais um capítulo das tensões comerciais entre Estados Unidos e China. Na quinta à noite, o presidente Donald Trump emitiu ordens executivas determinando que transações dos Estados Unidos com as empresas chinesas Tencent e ByteDance - controladoras dos aplicativos WeChat e TikTok, respectivamente -, sejam interrompidas em 45 dias. Recentemente, a Microsoft expressou interesse em comprar as operações americanas da TikTok.
Na China continental, o índice Xangai Composto caiu 0,96% nesta sexta, a 3.354,04 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto recuou 1,38%, a 2.272,66 pontos. 
Em Hong Kong, as ações da Tencent sofreram um tombo de 5,04%. Já o índice da bolsa local, o Hang Seng, cedeu 1,6%, a 24.531,62 pontos.
Com o novo desdobramento das complicadas relações sino-americanas, os últimos números da balança comercial chinesa ficaram em segundo plano. As exportações da China surpreenderam positivamente em julho, com expansão anual de 7,2%, bastante superior ao leve ganho de 0,1% esperado por analistas. Por outro lado, as importações tiveram queda anual de 1,4% no último mês, contrariando expectativas de alta de 1%.
Investidores na Ásia também aguardam o desfecho de negociações no Congresso americano para o lançamento de um novo pacote fiscal nos EUA, em reação à crise do coronavírus. Na quinta, o secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, disse que republicanos e democratas vão tentar superar divergências sobre a questão nesta sexta. "Os dois lados estão mais próximos em muitos assuntos, mas muito distantes em alguns grandes temas", afirmou.
Há expectativa também para o último relatório de emprego dos EUA. Conhecido como "payroll", o documento será publicado às 9h30 (de Brasília) e costuma ter impacto significativo nos mercados financeiros.
Em outras partes da região asiática, o japonês Nikkei caiu 0,39% na Bolsa de Tóquio nesta sexta, a 22.329,94 pontos, e o Taiex registrou baixa de 0,66% em Taiwan, a 12.828,87 pontos, mas o sul-coreano Kospi avançou 0,39% em Seul, a 2.351,67 pontos, acumulando ganhos pelo quinto pregão consecutivo e atingindo o maior nível em quase dois anos.
Na Oceania, a bolsa australiana seguiu o tom predominante da Ásia, e o S&P/ASX 200 recuou 0,62% em Sydney, a 6.004,80 pontos.
Comentários CORRIGIR TEXTO