Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Consumo

- Publicada em 12h58min, 06/08/2020. Atualizada em 13h30min, 06/08/2020.

Aumento da cota para compras em free shops em cidades gaúchas será debatido nesta quinta

Primeiras lojas com produtos livre de imposto abriram em 2019 em Uruguaiana

Primeiras lojas com produtos livre de imposto abriram em 2019 em Uruguaiana


DIVULGAÇÃO/JC
O aumento da cota de compras em free shops no lado gaúcho da fronteira será alvo de reunião virtual  entre a Receita Federal e a Comissão do Mercosul e Assuntos Internacionais da Assembleia Legislativa nesta quinta-feira (6). O segmento do Rio Grande do Sul busca elevar de US$ 300,00 para US$ 500,00, valor nos free shops no lado uruguaio e argentino. Em aeroportos, o limite passou a US$ 1 mil em janeiro.
O aumento da cota de compras em free shops no lado gaúcho da fronteira será alvo de reunião virtual  entre a Receita Federal e a Comissão do Mercosul e Assuntos Internacionais da Assembleia Legislativa nesta quinta-feira (6). O segmento do Rio Grande do Sul busca elevar de US$ 300,00 para US$ 500,00, valor nos free shops no lado uruguaio e argentino. Em aeroportos, o limite passou a US$ 1 mil em janeiro.
A discussão começa às 14h15min e pode ser acompanhada pelo site da Assembleia. Na pauta, estarão também a lista de produtos que podem ser vendidos nos free shops e o trânsito de mercadorias entre as lojas que têm a condição tributária diferenciada no lado brasileiro. Os empreendimentos começaram a abrir em junho de 2019.  
Estarão na sessão o secretário da Receita Federal, José Barroso Tostes Neto, e secretário de Administração Aduaneira, Fausto Vieira Coutinho.
Também estão confirmados pela Assembleia a secretária estadual de Relações Federativas e Internacionais, Ana Amélia Lemos, e o deputado federal e líder do Governo Bolsonaro na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros. 
Uma das queixas é de demora de 20 dias na liberação da licença da Receita Federal entre a transferência de uma loja para outra ou do centro de distribuição, segundo o deputado estadual, Frederico Antunes, que preside a Comissão do Mercosul e a dos Free Shops da AL. Outra demanda é liberar a venda "off-line" quando ocorre a queda da rede que conecta as lojas aos sistemas do Serpro  e da Receita.   
Para acompanhar, acesse o link no site da AL.
Comentários CORRIGIR TEXTO