Porto Alegre, sábado, 01 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 01 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Varejo

- Publicada em 16h30min, 31/07/2020. Atualizada em 22h37min, 01/08/2020.

Comércio e serviços de Porto Alegre exigem mesma liberação dos jogos de futebol

'Temos condições de oferecer segurança a funcionários e clientes', garante Irio Piva

'Temos condições de oferecer segurança a funcionários e clientes', garante Irio Piva


LUIZA PRADO/JC
Patrícia Comunello
O anúncio de liberação dos jogos de futebol em Porto Alegre, feito no começo da tarde desta sexta-feira (31) pelo prefeito Nelson Marchezan Júnior, provocou reações dos setores que sofrem restrições na pandemia desde a primeira semana de julho. Fontes de diversos segmentos, do comércio à construção e escolas ouvidas cobram o mesmo tratamento dado ao futebol. Marchezan sinalizou que pode ter retomada na semana que vem, mas dependerá da ocupação de UTIs. Antes, porém, a pressão para permitir o funcionamento de setores deve aumentar.   
O anúncio de liberação dos jogos de futebol em Porto Alegre, feito no começo da tarde desta sexta-feira (31) pelo prefeito Nelson Marchezan Júnior, provocou reações dos setores que sofrem restrições na pandemia desde a primeira semana de julho. Fontes de diversos segmentos, do comércio à construção e escolas ouvidas cobram o mesmo tratamento dado ao futebol. Marchezan sinalizou que pode ter retomada na semana que vem, mas dependerá da ocupação de UTIs. Antes, porém, a pressão para permitir o funcionamento de setores deve aumentar.   
"Apoiamos a volta do futebol, que é muito importante, da mesma maneira pedimos que o comércio possa voltar", apelou o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Porto Alegre (CDL-POA), Irio Piva. O dirigente usa como principal argumento para que o tratamento seja o mesmo que o do futebol que "o varejo também pode garantir segurança para funcionários e consumidores". O fechamento do comércio ocorreu há mais de 20 dias.
"Temos condições de oferecer segurança a funcionários e clientes. Com este tempo todo que passou, todos aprendemos a lidar com a situação. Nossas empresas são um lugar seguro", reforça Piva.
Sobre o comentário de Marchezan, de que não teria obtido apoio para fazer um lockdown, o presidente da CDL-POA concorda que os setores não concordaram, o que fragilizou a adoção do fechamento, cogitado pelo prefeito e que chegou a ser defendido pela direção do Hospital de Clínicas.
"Ele está certo, não demos apoio. Ele queria restringir ainda mais. Queremos que a economia e a saúde andem juntas", completa.  
Em função do prolongamento das restrições, que voltaram no começo de julho, há lojas que desafiam as proibições, por exemplo, e estão abrindo.
O presidente do Sindicato de Hospedagem e Alimentação de Porto Alegre (Sindha), Henry Chmelnitsky, defendeu que o mesmo modelo de negociação adotado pela prefeitura nas conversas com a Federação Gaúcha de Futebol (FGF) e a dupla Grenal seja aplicado aos demais setores econômicos.
"Não importa se vai abrir ou fechar estádio, mas sim que ele (o prefeito) sente conosco e defina uma previsibilidade e um cronograma", afirmou Chmelnitsky. "Do jeito que está, aí sim, vamos ser contra. É secundário abrir ou fechar (estádios), a não ser que abra os nossos segmentos."
"A liberação do futebol é boa, a partir do momento que vemos a perspectiva de abertura, pois não há mais espaço para o comércio fechado, com empresas quebrando, aumentando o número de desempregados e causando pobreza na cidade. Lutamos pela reabertura imediatamente", endossou o presidente do Sindilojas, Paulo Kruse.
Quando surgiu a possibilidade de adotar lockdown, Kruse considerou que a medida seria desastrosa. Um grupo de 20 entidades lançou manifesto contrário ao fechamento
Comentários CORRIGIR TEXTO