Porto Alegre, quarta-feira, 29 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 29 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

aviação

Atualizada em 08h54min, 29/07/2020.

Smiles tem prejuízo líquido de R$ 400 mil no 2º trimestre

A Smiles, detentora de um dos principais programas de fidelidade do País, registrou um prejuízo líquido de R$ 400 mil no segundo trimestre de 2020, revertendo o lucro líquido de R$ 155,7 milhões registrado em igual período de 2019. Os dados foram divulgados na noite dessa terça-feira (28) em balanço enviado à CVM.
A Smiles, detentora de um dos principais programas de fidelidade do País, registrou um prejuízo líquido de R$ 400 mil no segundo trimestre de 2020, revertendo o lucro líquido de R$ 155,7 milhões registrado em igual período de 2019. Os dados foram divulgados na noite dessa terça-feira (28) em balanço enviado à CVM.
O Ebitda ficou negativo em R$ 6,2 milhões, contra um resultado positivo de R$ 180,4 milhões em igual período de 2019. Já a margem Ebitda caiu de 64,9% para margem negativa de 11% em igual comparação.
O tombo nos resultados da empresa refletiu os efeitos da pandemia da Covid-19. Segundo o documento, a Smiles teve uma queda de 79,6% na receita líquida no trimestre na comparação com abril, maio e junho de 2019, para R$ 56,5 milhões.
Segundo a empresa, as receitas de resgates foram reduzidas em 87,1% no trimestre na comparação anual, para R$ 75,7 milhões, em decorrência do cancelamento de viagens (passagens aéreas, hotéis, aluguel de carros entre outros). A empresa destacou que, apesar da crise, os resgates em outros produtos - como o Shopping Smiles - apresentaram evolução no período, aumentando sua representatividade, mas não conseguiram compensar o recuo das passagens aéreas.
Apesar das dificuldades, a Smiles sinalizou que a evolução da receita líquida entre abril e junho mostra uma recuperação. "Nesse período, as emissões de bilhetes cresceram 95% e os cancelamentos caíram 45%". A empresa destacou ainda que, ao final do trimestre, já alcançou cerca de 50% das emissões de bilhetes comparativamente ao mesmo período de 2019.
O resultado financeiro líquido, de R$ 21,3 milhões, aumentou 114% na comparação com o período imediatamente anterior, resultado da recuperação do desempenho dos fundos de investimento que foram impactados pela pandemia da Covid-19. No base anual, entretanto, o indicador caiu 35,3%, em grande parte devido à variação da taxa de juros básica de 6,50% para 2,25% ao ano no período.
Comentários CORRIGIR TEXTO