Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 08h06min, 27/07/2020.

Bolsas asiáticas fecham majoritariamente em alta após indicador chinês positivo

Avanço do coronavírus, no entanto, compromete o apetite por risco

Avanço do coronavírus, no entanto, compromete o apetite por risco


Kazuhiro NOGI/AFP/JC
As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta segunda-feira (27), à medida que investidores comemoraram mais um indicador chinês animador, mas também continuaram atentos a desavenças entre EUA e China e aos últimos números sobre a disseminação do coronavírus.
As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta segunda-feira (27), à medida que investidores comemoraram mais um indicador chinês animador, mas também continuaram atentos a desavenças entre EUA e China e aos últimos números sobre a disseminação do coronavírus.
Os mercados chineses tiveram ganhos moderados: o índice Xangai Composto subiu 0,26%, a 3.205,23 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 0,28%, a 2.144,37 pontos. O tom positivo veio após dados oficiais mostrarem que o lucro de grandes empresas industriais da China deu um salto anual de 11,5% em junho, quase o dobro do ganho de 6% visto em maio e marcando seu maior avanço desde março de 2019.
Nas últimas semanas, a China vem, de modo geral, mostrando que se recupera em ritmo mais veloz do que se esperava da pandemia de coronavírus, que teve origem na cidade chinesa de Wuhan. Também ficaram no azul hoje as bolsas de Seul, com alta de 0,79% do sul-coreano Kospi, a 2.217,86 pontos, e de Taiwan, onde o Taiex registrou expressivo ganho de 2,31%, a 12.588,30 pontos.
Já o índice japonês Nikkei caiu 0,16% em Tóquio, a 22.715,85 pontos, depois de ficar sem operar por dois dias em função de feriados no Japão e à medida que o iene atingiu nova máxima em quatro meses ante o dólar, e o Hang Seng recuou 0,41% em Hong Kong, a 24.603,26 pontos.
Pesam no sentimento as rixas entre EUA e China, que ganharam um novo capítulo na semana passada, quando Washington ordenou o fechamento do consulado chinês em Houston (Texas). Em retaliação, Pequim mandou que o consulado dos EUA em Chengdu também encerrasse operações, o que foi efetivado hoje. Americanos acusam os chineses de espionagem. A China, por sua vez, alega que os EUA vêm interferindo em seus assuntos internos.
O avanço do coronavírus também compromete o apetite por risco. Ontem, o número de infectados no mundo ultrapassou a marca de 16 milhões, com mais de 645 mil mortes, segundo dados compilados pela Universidade Johns Hopkins. Na Oceania, a bolsa australiana terminou o pregão em alta, sustentado pelo indicador chinês favorável. O S&P/ASX avançou 0,34% em Sydney, a 6.044,20 pontos.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO