Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Serviços

- Publicada em 20h40min, 24/07/2020. Atualizada em 21h08min, 24/07/2020.

Feiras ecológicas do Bom Fim cercam área para evitar aglomeração

Cercamento foi feito na área e quatro acesso vão controlar o fluxo dos frequentadores

Cercamento foi feito na área e quatro acesso vão controlar o fluxo dos frequentadores


ELSON SCHROEDER/DIVULGAÇÃO/JC
Quem for neste sábado (25) a duas das mais tradicionais feiras de hortigranjeiros de Porto Alegre vai ter de literalmente entrar na linha. As duas feiras ecológicas do Bom Fim, que ocupam o canteiro central e a avenida José Bonifácio, ao lado do Parque da Redenção, vão adotar a partir deste fim de semana o cercamento da área para controlar o fluxo e reduzir a aglomeração, evitando riscos na pandemia do novo coronavírus. As feiras vão das 7h às 13h.
Quem for neste sábado (25) a duas das mais tradicionais feiras de hortigranjeiros de Porto Alegre vai ter de literalmente entrar na linha. As duas feiras ecológicas do Bom Fim, que ocupam o canteiro central e a avenida José Bonifácio, ao lado do Parque da Redenção, vão adotar a partir deste fim de semana o cercamento da área para controlar o fluxo e reduzir a aglomeração, evitando riscos na pandemia do novo coronavírus. As feiras vão das 7h às 13h.
Os feirantes vão adotar entradas sinalizadas por gazebos, cada uma com largura de três metros, explica a organização das feiras de orgânicos. Monitores vão orientar os frequentadores sobre as condições para poder fazer as compras. 
Os acessos ficam nas ruas Vieira de Castro e Santa Terezinha, avenida Osvaldo Aranha e rua Santana. As fileiras das bancas de hortigranjeiros e outros itens se estendem desde a Osvaldo até a Santana.
A comissão dos integrantes da Feira dos Agricultores Ecologistas (FAE) e da Feira Ecológica do Bom Fim (FEBF) destaca que as medidas cumprem o decreto municipal, que prevê distanciamento das barracas e menor capacidade de fluxo. A adaptação às novas condições vem sendo feita desde março.
Em fim de março, a prefeitura chegou a proibir que produtores de fora da Capital vendessem nas feiras. Após reação, a presença foi liberada.  
"Se você não colaborar, em caso de lockdown, a feira pode fechar. Essa responsabilidade, agora, está mais do que nunca nas mãos dos consumidores", será a mensagem dos produtores.
A ideia é limitar o número de até duas pessoas por família. Outro apelo é que os frequentadores não levem o animal de estimação, para evitar clima de passeio. Também é feito o pedido para não transitar de bicicleta e não tocar nos alimentos que não for comprar. 
Comentários CORRIGIR TEXTO