Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 17h22min, 23/07/2020. Atualizada em 17h25min, 23/07/2020.

Bolsas de Nova Iorque fecham em queda, com techs em baixa e dúvidas sobre recuperação

O índice acionário Dow Jones recuou 1,31%, a 26.652,33 pontos

O índice acionário Dow Jones recuou 1,31%, a 26.652,33 pontos


SCOTT HEINS/GETTY IMAGES/AFP/JC
Uma série de fatores levou as bolsas de Nova Iorque a fechar o pregão desta quinta-feira (23), em queda. Enquanto os investidores monitoram os impasses nas negociações para o próximo pacote de estímulos nos Estados Unidos, o primeiro aumento nos pedidos de auxílio-desemprego no país impulsionou a incerteza sobre a retomada econômica. Além disso, relatos de investigações contra a Apple e a confirmação de audiências antitruste sobre empresas do setor de tecnologia pressionaram o Nasdaq.
Uma série de fatores levou as bolsas de Nova Iorque a fechar o pregão desta quinta-feira (23), em queda. Enquanto os investidores monitoram os impasses nas negociações para o próximo pacote de estímulos nos Estados Unidos, o primeiro aumento nos pedidos de auxílio-desemprego no país impulsionou a incerteza sobre a retomada econômica. Além disso, relatos de investigações contra a Apple e a confirmação de audiências antitruste sobre empresas do setor de tecnologia pressionaram o Nasdaq.
O índice acionário Dow Jones recuou 1,31%, a 26.652,33 pontos, o S&P 500 caiu 1,23%, a 3.235,66 pontos, e o Nasdaq registrou baixa de 2,29%, a 10.461,42 pontos.
"A mensagem geral é de que uma economia capaz de se recuperar bem está paralisada devido a problemas de saúde", escreveu no Twitter o economista Mohamed A. El-Erian, consultor econômico da Allianz. O comentário veio após o Departamento do Comércio americano informar que os pedidos de auxílio desemprego subiram 109 mil na semana, a 1,416 milhão. Foi a primeira alta em quase quatro meses.
Para o analista de mercado Joe Manimbo, do Western Union, o indicador oferece mais evidências de moderação no ritmo de retomada da maior economia do mundo. Economista-chefe do MUFG Union Bank, Chris Hupkey ressalta que a demanda, essencial para a saída da crise, não voltará "se o país não conseguir encontrar trabalho para os quase 32 milhões de americanos desempregados que recebem benefícios públicos".
À tarde, o clima no mercado piorou, após o site Axios informar que vários estados americanos estão investigando a Apple por supostamente "enganar" consumidores. Segundo o site, o procurador-geral do Texas pode processar a empresa. Além disso, um comitê da Câmara dos Representantes confirmou para a próxima segunda-feira, 27, audiências de um painel antitruste que ouvirá executivos de Amazon, Apple, Google e Facebook.
No S&P 500, o subíndice do setor de tecnologia liderou as perdas (-2,36%). As ações da Apple recuaram 4,55%, as da Amazon cederam 3,66% e as do Facebook caíram 3,03%. Os papéis da Microsoft, que divulgou balanço após o fechamento do mercado ontem, perderam 4,35%.
Entre outras empresas que informaram resultados corporativos, Twitter subiu 4,06%, AT&T recuou 0,86%, Whirlpool ganhou 7,99% e American Airlines avançou 3,70%.
Em Washington, continuam as negociações para o novo pacote de estímulos do governo. Secretário do Tesouro, Steven Mnuchin disse hoje que o projeto não incluirá um corte nos impostos sobre a folha de pagamento.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO