Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado financeiro

- Publicada em 13h35min, 23/07/2020.

Maioria das bolsas da Europa fecha em queda após divulgação de indicadores

Índice Stoxx 600 fechou com leve alta de 0,06% nesta quinta-feira

Índice Stoxx 600 fechou com leve alta de 0,06% nesta quinta-feira


GABRIELA DI BELLA/ARQUIVO/JC
A maior parte das bolsas europeias fechou em queda nesta quinta-feira (23) após a divulgação de indicadores econômicos que mostram que o ritmo de recuperação da economia global será incerto. Mesmo assim, em meio à temporada de balanços corporativos, o índice Stoxx 600 fechou com leve alta de 0,06%, a 373,65 pontos.
A maior parte das bolsas europeias fechou em queda nesta quinta-feira (23) após a divulgação de indicadores econômicos que mostram que o ritmo de recuperação da economia global será incerto. Mesmo assim, em meio à temporada de balanços corporativos, o índice Stoxx 600 fechou com leve alta de 0,06%, a 373,65 pontos.
Na Bolsa de Londres, o índice FTSE 100 terminou o pregão com alta de 0,07%, a 6.211,44 pontos, ajudado pelo salto de 7,88% na ação da Unilever, repercutindo avanço no lucro da empresa no segundo trimestre.
Os ganhos no mercado inglês, contudo, foram limitados pela indefinição a respeito do futuro das relações comerciais entre o Reino Unido e a União Europeia, após a oficialização do Brexit, no final deste ano. Negociador da UE, Michael Barnier acusou os britânicos de demonstrarem pouca disposição para chegar a um acordo, que ele caracterizou como "improvável".
Em Franfkurt, o DAX teve variação marginal para baixo de 0,01%, a 13.103,39 pontos. O papel da montadora Daimler, controladora da Mercedes-Benz, subiu 4,36%, embora a companhia tenha tido prejuízo de 1,738 milhão de euros no primeiro semestre do ano.
O instituto GfK informou que o índice de confiança do consumidor da Alemanha subiu de -9,4 pontos em julho para -0,03 ponto em agosto, em uma recuperação mais forte do que a esperada por analistas, que previam -4,8.
Já na zona do euro, a Comissão Europeia divulgou que a confiança recuou de -14,7 para -15 na passagem de junho para julho. "A queda é consistente com a mensagem dos dados de alta frequência que mostram que a recuperação dos gastos com consumo já pode estar desacelerando", explica a Capital Economics.
Outro foco de preocupação nas mesas de operações é a escalada das tensões entre Estados Unidos e China. Após o fechamento do consulado chinês em Houston, no Texas, o presidente americano, Donald Trump, sugeriu que outros centros diplomáticos poderão ser desativados no futuro. Diante disso, o FTSE MIB, referência em Milão, cedeu 0,70%, a 20.454,46 pontos e o CAC, de Paris, caiu 0,07%, a 5.033,76 pontos.
Em Madri, o Ibex 35 recuou 0,07%, a 7.384,90 pontos, enquanto, em Lisboa, o PSI 20 avançou 0,64%, a 4.538,69 pontos.
 
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO