Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 16h04min, 21/07/2020. Atualizada em 16h04min, 21/07/2020.

Petróleo fecha em alta de mais de 2% com aprovação de Fundo de Recuperação da UE

Na Nymex, o barril do WTI para setembro encerrou com ganho de 2,44%, a US$ 41,92

Na Nymex, o barril do WTI para setembro encerrou com ganho de 2,44%, a US$ 41,92


PAUL RATJE/AFP/JC
Os contratos futuros de petróleo fecharam em forte alta nesta terça-feira (21), em um dia marcado por um movimento global de apetite por risco após líderes da União Europeia chegarem a um acordo pelo socorro de 750 bilhões de euros aos membros duramente afetados pelo coronavírus. 
Os contratos futuros de petróleo fecharam em forte alta nesta terça-feira (21), em um dia marcado por um movimento global de apetite por risco após líderes da União Europeia chegarem a um acordo pelo socorro de 750 bilhões de euros aos membros duramente afetados pelo coronavírus. 
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do WTI para setembro encerrou com ganho de 2,44%, a US$ 41,92. Já na Intercontinental Exchange (ICE), o Brent para o mesmo mês avançou 2,40%, a US$ 44,32 o barril.
Após uma maratona de negociações, que se estendeu por todo o final de semana, a cúpula do bloco europeu acertou os termos do Fundo de Recuperação que havia sido proposto pela Comissão Europeia. O tamanho do pacote ficou como o proposto inicialmente: 750 bilhões de euros, dentre os quais 390 bilhões serão em subsídios.
Os repasses diretos serão menores que os do primeiro rascunho, que previa 500 bilhões de euros, em um aceno a Holanda, Áustria, Dinamarca e Suécia. O quarteto sempre se mostrou resistente à ideia de conceder recursos sem nenhum tipo de contrapartida, mas foi convencido pelo grupo liderado por Alemanha, Itália e Espanha a aceitar a cifra final.
"O sentimento positivo depois que a UE alcançou um acordo de estímulo elevou os mercados de ações e se espalhou para os mercados de petróleo", aponta Hans van Cleef, economista sênior de energia do banco ABN AMRO.
Nos próximos dias, investidores vão monitorar de perto as negociações entre democratas e republicanos para uma nova rodada de medidas de apoio econômico nos Estados Unidos. O secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, disse hoje que a Casa Branca trabalha com a meta de alcançar um entendimento com a oposição até o final da próxima semana.
Apesar do otimismo de hoje, o ING ressalta que ainda há fatores de risco no horizonte do mercado de energia. Em particular, diz o banco, o persistente avanço do coronavírus pode atrasar a recuperação da demanda.
"A ressurgência de casos de covid-19 nos EUA parece ter encerrado a recuperação que estávamos vendo na demanda de gasolina nos EUA e, claramente, se começarmos a ver cidades e Estados impondo restrições mais rígidas mais uma vez, isso provavelmente significará um revés para números do consumo", aponta. (COM INFORMAÇÕES DA DOW JONES NEWSWIRES)
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO