Porto Alegre, domingo, 19 de julho de 2020.
Nelson Mandela Day.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 19 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Telefonia

- Publicada em 00h11min, 19/07/2020. Alterada em 00h46min, 19/07/2020.

Telefônica, Tim e Claro fazem oferta vinculante por serviços móveis da Oi

A operação inclui a totalidade dos ativos que constituem a 'UPI de Ativos Móveis'

A operação inclui a totalidade dos ativos que constituem a 'UPI de Ativos Móveis'


PATRÍCIA COMUNELLO /ESPECIAL/JC
Telefônica Brasil, Tim e a Claro informam que apresentaram oferta vinculante em conjunto para aquisição do negócio móvel do Grupo Oi. O valor da oferta não foi informado. A operação inclui a totalidade dos ativos que constituem a "UPI de Ativos Móveis", o que inclui termos de autorização de uso de radiofrequência; base de clientes do Serviço Móvel Pessoal; direito de uso de espaço em imóveis e torres; elementos de rede móvel de acesso ou de núcleo; e sistemas/plataformas.
Telefônica Brasil, Tim e a Claro informam que apresentaram oferta vinculante em conjunto para aquisição do negócio móvel do Grupo Oi. O valor da oferta não foi informado. A operação inclui a totalidade dos ativos que constituem a "UPI de Ativos Móveis", o que inclui termos de autorização de uso de radiofrequência; base de clientes do Serviço Móvel Pessoal; direito de uso de espaço em imóveis e torres; elementos de rede móvel de acesso ou de núcleo; e sistemas/plataformas.
Segundo as empresas, a oferta vinculante foi submetida à apreciação da Oi, em recuperação judicial, após a análise de dados e informações disponibilizadas a respeito do negócio a ser adquirido, e está sujeita a determinadas condições, especialmente a seleção das ofertantes como "stalking horse" (primeiro proponente), o que lhes permitirá garantir o direito de cobrir o melhor dentre os demais lances apresentados no processo competitivo de venda do negócio móvel do Grupo Oi.
"No caso de aceitação da proposta apresentada e na hipótese de concretização da operação, cada uma das interessadas receberá uma parcela do referido negócio", informam as empresas em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), sem dar maiores detalhes da proposta.
A perspectiva da Telefônica é que, se concretizada, a transação agregará valor para seus acionistas e clientes através de maior crescimento, geração de eficiências operacionais e melhorias na qualidade do serviço. "Além disso, contribuirá para o desenvolvimento e competitividade do setor de telecomunicações brasileiro", diz a companhia.
Já Tim, destaca que a operação é uma oportunidade de aceleração do seu crescimento e do aumento da eficiência operacional. "Na visão dos clientes, a transação promoverá ganhos na experiência de uso e melhoria na qualidade do serviço prestado, além da possibilidade de lançamento de produtos e ofertas", diz a tele.
A Tim acrescenta que o mercado de telecomunicações em geral, terá como benefícios o reforço da capacidade de investimento, inovação tecnológica, bem como da sua competitividade.
A Claro, por sua vez, diz que a perspectiva é que, se concretizada, a transação agregará valor para seu seus acionistas e clientes através de maior crescimento, geração de eficiências operacionais e melhorias na qualidade do serviço.

BTG avalia que união de Claro a TIM e Vivo por Oi Móvel pode reduzir competição pelo ativo

A união da Claro às concorrentes TIM e Telefônica Brasil (dona da Vivo) em uma oferta vinculante pelos ativos de telefonia móvel da Oi foi uma "grande surpresa", já que até então, a empresa controlada pela América Móvil não havia indicado que se juntaria às concorrentes na oferta. A visão é do BTG Pactual, que considera, em comentário a clientes, que essa oferta conjunta pode reduzir a competição pelo ativo da Oi.
 
Os analistas Carlos Sequeira e Osni Carfi comentam ainda que como o preço não foi divulgado pelas empresas, a notícia tende a ser marginalmente positiva para as três interessadas, em especial para a TIM, que deve ficar com a maior parte da Oi Móvel. Para a vendedora, porém, eles consideram que pode haver impacto negativo, pois há uma chance, acreditam, de que o valor tenha sido menor que os R$ 15 bilhões que a Oi havia indicado em junho que esperava receber pelas operações.
 
Mas os analistas destacam ainda que o anúncio da própria Oi falou em ofertas vinculantes pela Oi Móvel no plural, sem citar nomes de empresas. "Ainda que sempre tenhamos pensado que seria improvável ver novos entrantes no mercado brasileiro de telecomunicações, não podemos excluir essa possibilidade por completo", escrevem. Há pouco, a Oi divulgou em nota à imprensa que recebeu "mais de uma proposta vinculante" pelos ativos, mas não deu mais detalhes.
 
Sequeira e Carfi afirmam que continua sendo provável que a TIM fique com a maior parte da Oi Móvel, mas que a entrada da Claro na oferta torna "incerta" a forma como se dará a divisão das operações.
 
Em outro ponto, os analistas destacam que a Oi também recebeu uma oferta vinculante pela unidade produtiva isolada (UPI) Torres, que reúne atividades de sites de telecomunicação outdoor e indoor de transmissão de radiofrequência da companhia e suas subsidiárias. A oferta foi feita pela Highline do Brasil, e o valor é de R$ 1,076 bilhão.
 
"Isso além de uma oferta de R$ 325 milhões recebida pelos data centers. Tudo inserido, e assumindo um preço de R$ 15 bilhões pela divisão móvel, a Oi estaria prestes a levantar R$ 16,4 bilhões em vendas de ativos, sem incluir a venda de uma fatia na Oi Infra (a empresa espera captar R$ 6,5 bilhões vendendo 25,5% da Oi Infra)", concluem.
Comentários CORRIGIR TEXTO