Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Indústria

- Publicada em 03h00min, 24/07/2020.

Marelli projeta abrir mais 20 lojas até o final do ano

Valente está focado na transformação digital e na expansão da rede

Valente está focado na transformação digital e na expansão da rede


/divulgação Fábio Grison
Adriana Lampert
O executivo Luis Valente, 55 anos, assumiu recentemente o cargo de presidente do Grupo Marelli, com a missão de dar continuidade aos projetos e estratégias de crescimento, expansão e consolidação da empresa. Neste sentido, já planeja aumentar a rede de lojas - atualmente com 30 unidades em todo o Brasil - até o final deste ano. "Estamos indo atrás de parceiros e o objetivo é chegar a 50 lojas em todo País antes de dezembro."
O executivo Luis Valente, 55 anos, assumiu recentemente o cargo de presidente do Grupo Marelli, com a missão de dar continuidade aos projetos e estratégias de crescimento, expansão e consolidação da empresa. Neste sentido, já planeja aumentar a rede de lojas - atualmente com 30 unidades em todo o Brasil - até o final deste ano. "Estamos indo atrás de parceiros e o objetivo é chegar a 50 lojas em todo País antes de dezembro."
Primeiro presidente profissional no grupo, que emprega mais de 450 funcionários, Valente traz na bagagem uma carreira ascendente em multinacionais e experiência internacional, tendo ocupado cargos executivos no Brasil, América Latina e Europa, nas áreas comercial, industrial e financeira, administrando operações complexas com responsabilidade sobre os resultados e compliance.
Como meta de trabalho, ele cita impulsionar o crescimento do grupo, investindo em transformação digital, mudanças de processos de comunicação e fortalecer a marca, que trabalha com duas vertentes: móveis decorativos para home office e infraestrutura mobiliária do varejo.
Jornal do Comércio - Como as unidades produtivas de Caxias do Sul e Canoas estão organizados para trabalhar durante a pandemia?
Luis Valente - A empresa está tomando todos os cuidados possíveis nas fábricas, onde apenas 30% a 40% da mão de obra está presente durante este período de isolamento social. Neste sentido, primamos pela absoluta segurança e higiene para todos os funcionários.
JC - As vendas foram afetadas?
Valente -  Trabalhamos com duas vertentes importantes: os pisos e móveis decorativos para home office, que ficam por conta da Marelli, e a infraestrutura imobiliária do varejo, fabricadas pela Ingecon. São modelos de negócios diferentes (ambos da indústria moveleira), que foram impactados pela pandemia de forma distinta. Os pisos corporativos foram mais afetados com o varejo fechando as portas. No entanto, o grupo é sólido, e temos uma rede de lojas muito forte, com mais de 30 unidades espalhadas pelo Brasil.
JC -  Quais são os seus desafios?
Valente -  A minha missão não é transformar a Marelli em um gigante, porque a empresa já é gigante, o que vamos fazer é acelerar o crescimento, fortalecer mais a marca, que já é reconhecida, e atravessar a transformação digital. Mas um dos principais objetivos estratégicos do grupo é voltar a crescer forte, uma vez que entre 2017 e 2020 o crescimento ficou estagnado. Claro que 2020 não serve de referência para nada, mas sim para um profundo pensamento do que vem pela frente. Também consta no plano estratégico chegarmos, em período inferior a um ano, a um total de 50 lojas no País. O grupo também vai acelerar, e muito, a jornada de transformação digital (e este é um dos grandes desafios) em todos os processos, formas de comunicação com stakeholders pelas plataformas digitais. Não que a gente vá passar a vender pela internet, mas a utilização das ferramentas digitais será fundamental para o futuro do Grupo. Também as formas como vamos tratar as mídias sociais deve se intensifica, porque estas são ferramentas poderosas.
JC -  Na sua avaliação, quais as principais transformações que foram aceleradas e que irão influenciar no mercado?
Valente - O que ficou claro é que existem grandes transformações que foram aceleradas pela pandemia, a exemplo do home office, e está é uma tendência que a empresa irá apostar. Já estamos trabalhando com soluções para este mercado. Aquelas pessoas que podem trabalhar em casa e fazer home office, devem investir em escritórios dentro de casa, buscando maior funcionalidade. Para esta grande transformação a Marelli já está atenta e já está com proposta de soluções e produtos para lançar no mercado em breve. Já os grandes pisos corporativos não vão desaparecer, mas o volume e quantidade de metros quadrados tendem a diminuir por conta da política de home office. Neste sentido, estamos muito animados para uma melhora das vendas no segundo semestre de 2020. E estamos convencidos que teremos um grande 2021.
JC - Há planos de investimentos neste período?
Valente - Ainda não definimos investimentos, mas seguramente vai haver algum. A empresa acredita muito no Brasil e na América Latina, onde já possui parceiros na Bolívia e no Paraguai. Atualmente, estamos avaliando expandir as nossas lojas fora do País, com novas parcerias que seriam firmadas na Colômbia, Chile e Peru. Mas ainda estamos estudando esta hipótese.
Comentários CORRIGIR TEXTO