Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

conjuntura

- Publicada em 09h17min, 17/07/2020. Atualizada em 09h17min, 17/07/2020.

Após sequência de altas, inflação de Porto Alegre volta a recuar, aponta FGV

Destaque na apuração, que na taxa de Alimentação foi influenciada principalmente pelo tomate

Destaque na apuração, que na taxa de Alimentação foi influenciada principalmente pelo tomate


LUIZA PRADO/JC
Na contramão da maioria das capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV), a inflação de Porto Alegre recuou na segunda apuração de julho, passando de uma taxa de 0,58% para 0,47%. A apuração faz parte do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), medido semanalmente pela FGV. No geral, o indicador demonstrou alta de 0,06 ponto percentual na comparação com o levantamento imediatamente anterior.
Na contramão da maioria das capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV), a inflação de Porto Alegre recuou na segunda apuração de julho, passando de uma taxa de 0,58% para 0,47%. A apuração faz parte do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), medido semanalmente pela FGV. No geral, o indicador demonstrou alta de 0,06 ponto percentual na comparação com o levantamento imediatamente anterior.
Na capital gaúcha, cinco das oito classes de despesa registraram decréscimo: Alimentação (1,66% para 0,96%), puxado principalmente pelo tomate (-4,30% para -12,46%), Vestuário (0,61% para 0,13%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,68% para 0,22%), Despesas Diversas (0,33% para 0,10%) e Comunicação (1,57% para 0,69%). Já Habitação (-0,58% para -0,22%), Educação, Leitura e Recreação (-0,63% para -0,39%) e Transportes (0,95% para 1,38%) mostraram alta.
Assim como Porto Alegre, Brasília (0,90% para 0,89%) e Rio de Janeiro (0,43% para 0,34%) tiveram desaceleração em suas taxas. Em compensação, Salvador (0,64% para 0,69%), Belo Horizonte (0,37% para 0,37%), Recife (0,50% para 0,63%) e São Paulo (0,35% para 0,60%) viram suas taxas de inflação aumentar na segunda semana deste mês.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/png/2020/07/17/206x137/1_resumocap_2-9097450.png', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5f1191d0e2050', 'cd_midia':9097450, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/png/2020/07/17/resumocap_2-9097450.png', 'ds_midia': 'IPC-S capitais, segunda semana de julho, medido pela FGV.', 'ds_midia_credi': 'FGV IBRE/JC', 'ds_midia_titlo': 'IPC-S capitais, segunda semana de julho, medido pela FGV.', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '289', 'align': 'Left'}
Comentários CORRIGIR TEXTO