Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Tributos

- Publicada em 21h08min, 14/07/2020. Alterada em 21h07min, 14/07/2020.

Expectativa é de que novo modelo de reforma tributária aumente a competitividade

Simone Leite espera que não 
haja pressão sobre a renda

Simone Leite espera que não haja pressão sobre a renda


/LUIZA PRADO/JC
Adriana Lampert
Os pilares da reforma tributária buscarão auxiliar o equilíbrio fiscal, tributar melhor e promover uma tributação mais justa. Para tanto, serão feitas modificações nas alíquotas de ICMS, reduzindo o número de percentuais, e também, alterações no ITCD e no IPVA, além de redução de benefícios fiscais e devolução de ICMS para as famílias mais pobres. "O objetivo é tornar o modelo tributário gaúcho o mais moderno do Brasil", afirmou o governador Eduardo Leite na divulgação de pontos do projeto.
Os pilares da reforma tributária buscarão auxiliar o equilíbrio fiscal, tributar melhor e promover uma tributação mais justa. Para tanto, serão feitas modificações nas alíquotas de ICMS, reduzindo o número de percentuais, e também, alterações no ITCD e no IPVA, além de redução de benefícios fiscais e devolução de ICMS para as famílias mais pobres. "O objetivo é tornar o modelo tributário gaúcho o mais moderno do Brasil", afirmou o governador Eduardo Leite na divulgação de pontos do projeto.
Durante a apresentação, o governador frisou que é fundamental desburocratizar e simplificar as normas, gerando boa repercussão entre os ouvintes. "Nossa expectativa se refere justamente em simplificarmos a apuração de impostos, porque é muito caro hoje para os empresários apurarem a carga tributária", desabafa a presidente da Federasul, Simone Leite. "Entendemos que as reformas que aconteceram no ano passado (Administrativa e Previdenciária) foram importantíssimas para que possamos aumentar a capacidade de investimentos no Estado. Esta reforma tributária vem consolidar com todos estes avanços que tivemos."
Adequar o modelo de cobrança é caminho considerado fundamental para aumentar a competitividade, avalia Simone. "Esta foi uma das premissas apresentadas pelo governador, considerando a guerra fiscal entre os estados e o custo logístico para empresas gaúchas (que acabam desembolsando mais) por estarem mais distantes do grande centro de consumo no Brasil." A presidente da Federasul também afirma que a entidade alimenta a expectativa de que o Estado venha "tributar menos a produção e o consumo, sem forçar a compensação atacando a renda".
Já o presidente da Farsul, Gedeão Pereira, destaca que a maior preocupação da entidade é que o governo "na tentativa de desonerar alguns setores acabe por onerar outros que estão produzindo, a exemplo do agronegócio". "Mas não sabemos quais setores serão desonerados e ainda é muito difícil qualquer avaliação, porque o governador apenas fez colocações muito genéricas de tudo que irá ser feito, os detalhes virão somente na quinta-feira."
O presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn, que também esteve na reunião, destaca que a Federação havia encaminhado, antecipadamente, algumas sugestões para serem incluídas no projeto de reforma. Na lista, estão a revisão da sistemática da Substituição Tributária do ICMS; exclusão do diferencial de alíquotas de ICMS para o Simples Nacional; criação do Código de Defesa dos Contribuintes e do Conselho de Contribuintes; limitação do valor das multas por infração tributária; extinção da GIA/ICMS; aperfeiçoamento do ambiente eletrônico e-CAC; acesso ao duplo grau de jurisdição administrativa; incentivo a Conformidade Fiscal; Incentivo às Importações pelo Estado; retorno das alíquotas de ICMS aos percentuais anteriores. "Segundo disse Leite, boa parte dessas sugestões serão contempladas", afirma Bohn.
O dirigente da Fecomércio-RS avalia que é preciso uma proposta que facilite e viabilize o empreendedorismo no Estado. "Ficamos otimistas pela fala do governador, que reconhece muitos dos nossos anseios e demonstrou boa vontade em atender essas demandas", disse Bohn. Já o presidente da Fiergs, Gilberto Porcello Petry, disse que a entidade "vai aguardar o governador oficializar o detalhamento da Reforma Tributária na quinta-feira", quando uma nova reunião virtual está marcada, para ocorrer às 10h.
Comentários CORRIGIR TEXTO