Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Finanças públicas

- Publicada em 13h22min, 10/07/2020. Alterada em 13h43min, 10/07/2020.

Governo gaúcho começa a formatar o orçamento de 2021

Projeção feita em maio pelo poder Executivo já incluía déficit de quase R$ 8 bilhões em 2021

Projeção feita em maio pelo poder Executivo já incluía déficit de quase R$ 8 bilhões em 2021


MARCO QUINTANA/JC
Thiago Copetti
O governo do Estado começou nesta sexta-feira (10) o processo de elaboração da proposta de orçamento de 2021 a partir da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) entregue à Assembleia Legislativa em maio, prevendo déficit de R$ 7,9 bilhões. Em meio à crise e as incertezas geradas pela pandemia, porém, pode haver alterações ao longo do ano, já que os rumos da economia seguem nebulosos.
O governo do Estado começou nesta sexta-feira (10) o processo de elaboração da proposta de orçamento de 2021 a partir da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) entregue à Assembleia Legislativa em maio, prevendo déficit de R$ 7,9 bilhões. Em meio à crise e as incertezas geradas pela pandemia, porém, pode haver alterações ao longo do ano, já que os rumos da economia seguem nebulosos.
“Não temos como saber como será a recuperação da atividade econômica e nem quando, isso dificulta todas as projeções e vamos ter, assim com a União, que rever metas fiscais no decorrer de 2020”, explicou o diretor do Departamento de Orçamento e Finanças da Secretaria de Planejamento, Alessandro Martins.
Na proposta encaminhada a AL em maio, que contém uma receita estimada em R$ 43,581 bilhões (sem considerar as transferências intraorçamentárias), o Estado não inclui nenhuma projeção de ingresso com as privatizações, como da CEEE, mas o assegura que essa está entre os projetos prioritários para geração de caixa em 2021.
“Não consideramos o ingresso de receitas extraordinários com privatizações em 2021, mas tudo esta sendo feito no sentido de viabilizar, sim, este processo”, afirmou o subsecretário do Tesouro, Bruno Jatene.
No anúncio do cronograma e dos orçamentos que serão planejados ao longo das próximas semanas, com diferentes órgãos e estatais, também terá prioridade reservar recursos para obras em barragens em construção no Estado, com as de Jaguari e Taquarembó. A finalização da barragem será importante para as soluções que podem evitar novas crises, como as enfrentadas pela agricultura devido à estiagem. As perdas com a falta de chuva no Estado, lembrou o governador Eduardo Leite, durante a apresentação do cronograma, foi um agravante para o baque no caixa público em 2020 e que se somou a crise fiscal histórica e à pandemia.
“Agora é ainda mais fundamental um planejamento bem estruturado para fazer a melhor alocação de cada centavo público. Assim como seguir com a reestruturação do Estado, o que inclui a reforma tributária que em breve encaminharemos à Assembleia”, destacou Leite.
Entre as ações que podem trazer reforço no caixa e uma das prioridades atuais, é a concessão à iniciativa privada das rodovias estaduais à iniciativa privada ainda neste segundo semestre. Deve ser lança neste segundo semestre o edital de concessão da RS-287 e a modelagem dos 1.022 quilômetros que hoje estão com a Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR).
De acordo com Gilberto de Melo Filho, secretário adjunto de Planejamento e Orçamento, Estado também deve reforçar a busca de recursos com a União para ter capacidade de investimentos. Neste ano, há 126 convênios trouxeram ao Estado cerca de R$ 1,2 bilhão. Destes, ainda restam R$ 800 milhões para serem executados.
Comentários CORRIGIR TEXTO