Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Indústria

- Publicada em 03h11min, 03/07/2020. Alterada em 03h00min, 03/07/2020.

Produção de automóveis puxa alta na indústria, ainda longe de prejuízos da pandemia

A retomada gradual das atividades em meio à pandemia da Covid-19 fez a produção industrial do Brasil esboçar recuperação em maio, o terceiro mês com medidas de isolamento social decretadas em todo o país para conter o avanço do novo coronavírus. De acordo com o IBGE, o setor se recuperou 7% na comparação com abril, quando havia caído 18,8%, indicando que o fundo do poço já ficou para trás. Em março, o recuo tinha sido de 9,2%.
A retomada gradual das atividades em meio à pandemia da Covid-19 fez a produção industrial do Brasil esboçar recuperação em maio, o terceiro mês com medidas de isolamento social decretadas em todo o país para conter o avanço do novo coronavírus. De acordo com o IBGE, o setor se recuperou 7% na comparação com abril, quando havia caído 18,8%, indicando que o fundo do poço já ficou para trás. Em março, o recuo tinha sido de 9,2%.
Na comparação com maio do ano passado, porém, ainda é possível ver como os efeitos econômicos ainda são sentidos, com recuo de 21,9%. É o sétimo resultado negativo nessa base de análise. A recuperação se deve principalmente por uma base de comparação muito baixa, ocasionada pela queda generalizada durante a pandemia. Com algum tipo de volta à produção em maio, após um mês praticamente inteiro de paralisação, todas as grandes categorias econômicas registraram crescimento.
A influência positiva mais relevante foi no setor de veículos automotores, reboques e carrocerias, com crescimento de 244,4%, interrompendo dois meses seguidos de queda na produção. Apesar disso, a expansão ainda ficou 72,8% abaixo do patamar de fevereiro de 2020, último mês antes da Covid-19 começar a causar impactos na economia. Na comparação com maio de 2019, o setor registrou recuo de 74,5%. Outros destaques foram nos setores de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, com alta de 16,2%, após perda acumulada de 20% nos três meses anteriores, e também no segmento de Bebidas, com 65,6%, recuperando parte da redução de 49,6% acumulada entre março e abril.
O registro negativo de abril havia superado até a queda de 11% de maio de 2018, quando ocorreu a greve dos caminhoneiros. Porém, aquela produção foi reposta no mês seguinte, algo que não aconteceu agora, já que as medidas de isolamento social continuaram em maio. O primeiro óbito conhecido de Covid-19 no país ocorreu no dia 17 de março. A partir daí, com o avanço da doença, o país promoveu o distanciamento social como forma de combater a pandemia.
As medidas restritivas causaram efeitos econômicos e intensificaram o aumento do desemprego no Brasil, que chegou a 12,9% no trimestre encerrado em maio, e contribuiu para que 7,8 milhões de posto de trabalho fossem perdidos. A população ocupada teve uma queda recorde de 8,3%.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO