Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Indústria

- Publicada em 03h15min, 03/07/2020. Alterada em 03h00min, 03/07/2020.

Aumento da atividade na indústria gaúcha não recupera perdas, afirma a Fiergs

O Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS) subiu 10,1% em maio, na comparação com o mês anterior, após duas quedas recordes, de 14,2%, em abril; e 10,6%, em março, revela a pesquisa divulgada nessa quinta-feira pela Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs). O crescimento, porém, ainda é insuficiente para recuperar as perdas, que chegaram a 15,5% no acumulado dos três meses. "Os resultados refletem a flexibilização das medidas de isolamento social e o retorno parcial das atividades no período, sugerindo que o setor deixava para trás seu pior momento, ainda que permanecesse em patamares muito baixos. Porém, com as novas restrições determinadas para as atividades da indústria e do comércio no final de junho, a situação tende a se agravar novamente, e pode retardar ou diminuir ainda mais o ritmo da retomada. O cenário é de muita incerteza", afirma o presidente da FIERGS, Gilberto Petry. O índice de maio foi o segundo mais baixo da série iniciada em janeiro de 2003.
O Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS) subiu 10,1% em maio, na comparação com o mês anterior, após duas quedas recordes, de 14,2%, em abril; e 10,6%, em março, revela a pesquisa divulgada nessa quinta-feira pela Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs). O crescimento, porém, ainda é insuficiente para recuperar as perdas, que chegaram a 15,5% no acumulado dos três meses. "Os resultados refletem a flexibilização das medidas de isolamento social e o retorno parcial das atividades no período, sugerindo que o setor deixava para trás seu pior momento, ainda que permanecesse em patamares muito baixos. Porém, com as novas restrições determinadas para as atividades da indústria e do comércio no final de junho, a situação tende a se agravar novamente, e pode retardar ou diminuir ainda mais o ritmo da retomada. O cenário é de muita incerteza", afirma o presidente da FIERGS, Gilberto Petry. O índice de maio foi o segundo mais baixo da série iniciada em janeiro de 2003.
A alta do IDI-RS foi puxada pelos indicadores mais diretamente associados à atividade industrial, como o faturamento real (16,5%), a utilização da capacidade instalada-UCI (9,1 pontos percentuais), as compras industriais (8,2%) e as horas trabalhadas na produção (7%). Em sentido oposto, os indicadores de mercado de trabalho mantiveram a tendência declinante: a terceira seguida do emprego (-1,7%) e a segunda da massa salarial real (-3,2%). O nível de emprego de maio é o menor desde janeiro de 2003. Em relação a 2019, a crise causada pela pandemia foi amplificada ainda por dois dias úteis a menos no mês, o que levou à forte queda da atividade na comparação com maio do ano passado: -18,3%.
Com o resultado negativo, a contração acumulada do IDI-RS em 2020 ganhou intensidade, chegando a 10,8% relativamente aos primeiros cinco meses de 2019. Todos os indicadores caíram. As compras industriais (-18,5%), o faturamento real (-15,3%) e as horas trabalhadas na produção (-11,9%) exerceram as maiores influências negativas. A UCI ficou 5,3 pontos percentuais abaixo do registrado no período, enquanto o emprego e a massa salarial real recuaram 2,3% e 7,3%, respectivamente. O cenário recessivo na indústria gaúcha é intenso e generalizado. De janeiro a maio de 2020, relativamente ao mesmo período de 2019, o nível de atividade caiu em 15 dos 17 setores pesquisados. As maiores contribuições negativas vieram de Veículos automotores (-20,2%), Máquinas e equipamentos (- 13,2%), Couros e calçados (-17,4%). Pelo lado positivo, destaque para Alimentos ( 3,1%).
 
Comentários CORRIGIR TEXTO