Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

comércio exterior

- Publicada em 03h00min, 02/07/2020.

Balança comercial tem superávit de US$ 23 bilhões no primeiro semestre

A balança comercial brasileira encerrou o primeiro semestre de 2020 com superávit de US$ 23 bilhões. Embora siga em patamar positivo, o saldo é 10,3% mais fraco do que o registrado nos primeiros seis meses de 2019. O resultado, apresentado pelo Ministério da Economia, é o pior para o período em cinco anos. Na comparação com o ano passado, o valor das exportações brasileiras caiu 6,4%. Também houve queda nas importações, de 5,2%.
A balança comercial brasileira encerrou o primeiro semestre de 2020 com superávit de US$ 23 bilhões. Embora siga em patamar positivo, o saldo é 10,3% mais fraco do que o registrado nos primeiros seis meses de 2019. O resultado, apresentado pelo Ministério da Economia, é o pior para o período em cinco anos. Na comparação com o ano passado, o valor das exportações brasileiras caiu 6,4%. Também houve queda nas importações, de 5,2%.
Desde o início da pandemia do novo coronavírus, o ministro Paulo Guedes (Economia) aposta na balança comercial como fator que pode amortecer a retração do PIB neste ano. A avaliação do ministro é que a exportação de alimentos, ponto forte do Brasil, seguirá em alta. Entre janeiro e junho, as exportações do setor agropecuário somaram US$ 26,2 bilhões, uma elevação de 23,8% na comparação com período equivalente do ano passado.
Para o total de 2020, o Ministério da Economia estima que o saldo comercial vai encerrar o ano positivo em US$ 55,4 bilhões, uma alta de 15,2% em relação a 2019. O superávit, pelas estimativas do governo, não será explicado por um aumento das vendas do país, mas sim uma retração mais forte das compras feitas pelos brasileiros. A projeção aponta para uma queda de 10,2% da exportação e um recuo ainda mais intenso da importação, de 17%.
Ferraz afirma que a crise do coronavírus agravou o cenário internacional, que já vinha em dinâmica de desaquecimento.
Comentários CORRIGIR TEXTO