Porto Alegre, segunda-feira, 29 de junho de 2020.
Dia da Telefonista.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 29 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Aeroportos

29/06/2020 - 21h14min. Alterada em 29/06 às 21h14min

Pandemia derruba prazo de 2021 para ampliar pista do Aeroporto de Porto Alegre

A empresa pretende recapear toda a pista atual de pousos e decolagens em 2021

A empresa pretende recapear toda a pista atual de pousos e decolagens em 2021


LUIZA PRADO/JC
Patrícia Comunello
A pandemia derrubou o prazo de conclusão da ampliação da pista do Aeroporto Internacional de Porto Alegre (Salgado Filho) que era em dezembro de 2021. A Fraport Brasil, que administra o terminal na Capital, informa que a data que estava no contrato de concessão perdeu efeito junto com outras medidas da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), devido aos impactos financeiros do novo coronavírus que ainda estão sendo contabilizados. 
A pandemia derrubou o prazo de conclusão da ampliação da pista do Aeroporto Internacional de Porto Alegre (Salgado Filho) que era em dezembro de 2021. A Fraport Brasil, que administra o terminal na Capital, informa que a data que estava no contrato de concessão perdeu efeito junto com outras medidas da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), devido aos impactos financeiros do novo coronavírus que ainda estão sendo contabilizados. 
A CEO da empresa, Andreea Pal, afirmou ao Jornal do Comércio que a pandemia "é um desastre" para o setor e que a companhia está negociando com a agência reguladora como os prejuízos serão mitigados. Não há valor ainda e a projeção é que a normalidade em voos não seja retomada nem em 2021, diz a CEO.
A Fraport descarta as medidas previstas nos casos de "força maior", que estão no contrato, como aumentar as tarifas, prolongar a concessão e postergar investimentos. "A única possibilidade seria receber diretamente o valor que precisamos. Poderia ser um aporte financeiro, mas teria de ser feito pelo governo e não um financiamento para as concessionárias", explica Andreea.
A obra que elevará a pista dos atuais 2.280 metros para 3,2 mil metros segue na área do terminal, informou a empresa. A CEO esclarece que a queda de receitas em função de redução de voos, que chegou a mais de 90%, não afeta o investimento, que já está contratado. "A obra está tão avançada que parar agora não faz muito sentido. Falta pouco para terminar de pagar e o dinheiro já está assegurado com o empréstimo e reservas que temos", explica ela.
A Fraport contratou R$ 1,2 bilhão do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para todas as ampliações e melhorias. O aporte total de investimentos era previsto em R$ 1,8 bilhão, mas Andreea adianta que a empresa não deve atingir este patamar, mesmo executando as obrigações e outras melhorias, como o novo Terminal de Cargas (Teca), com custo de R$ 50 milhões e cuja construção teve início este mês, e nova fachada.
Até agora, 30 meses após o começo da concessão, foram investidos R$ 1,1 bilhão, usando capital próprio e o financiamento. Outra obra que não estava prevista e que seria executada este ano, mas foi adiada para 2021, é a recapagem de toda a pista atual, com custo de R$ 20 milhões. 
Até começo de junho, já haviam sido pagos R$ 95 milhões dos R$ 136 milhões da execução da ampliação da pista. A fase mais demorada e que exigiu um grande projeto de drenagem - custo extra de quase R$ 170 milhões -, foi concluída. "Estamos compactando o solo e no final vem o asfalto. Se paramos e continuamos depois, os custos são altos. Temos de finalizar", projeta a executiva. 
O único obstáculo nos planos da ampliação e de entrega antes do fim de 2021, que poderia ser exequível, é a área da Vila Nazaré, que atingiu nesta segunda-feira (29) o assentamento de mil famílias em dois residenciais construídos em outras áreas da zona norte, segundo o Departamento Municipal de Habitação (DEMHAB). Restam ainda 300 famílias, mas nem todas na área do sítio aeroportuário com influência da nova extensão da pista de pousos e decolagens. 
Andreea explica que a remoção é crucial pois a vila está nos últimos 200 metros da ampliação. Mesmo após a retirada de todos os que têm de sair - que ainda depende de definição na Justiça -, será preciso fazer a limpeza da área. "Só o que atrasa a obra hoje é a vila, que necessita da realocação de famílias", ressalta. "São seis meses de atraso e não sei quanto tempo vamos precisar para resolver as últimas 50 moradias. Estamos fazendo todo o resto, só falta a última parte. A solução pode levar um mês, três meses ou três anos", alarma-se a CEO.
A executiva acha muito remoto concluir em fim de 2021, que seria a entrega devido ao andamento das obras, já que agora não há a imposição do prazo pela Anac. "As famílias têm de sair para que possamos fazer estudos ambientais finais. Se o estudo indicar que não precisará de muita intervenção, vamos finalizar a obra mais rápido. Se o estudo indicar problemas, precisamos mais tempo. Só posso saber depois de entrar e limpar a área."
"São dois anos e meio de surpresas. Cada dia uma coisa nova", resume. A análise ambiental avaliará eventuais impactos no solo, como contaminação, pois é uma área com muito depósito de lixo. Andreea observa que a extensão da pista permitirá mais voos internacionais, mas que isso terá mais impacto para usuários e a economia regional que para retorno do negócio da concessão. 
Comentários