Porto Alegre, quinta-feira, 25 de junho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 25 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Conjuntura

Alterada em 25/06 às 08h34min

INCC-M acelera a 0,32% em junho após 0,21% em maio, revela FGV

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M) acelerou a 0,32% em junho após 0,21% em maio, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quinta-feira (25). O avanço foi motivado pelo índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços, que variou de 0,45% para 0,68% entre os dois meses. O indicador referente à Mão de Obra, por sua vez, mostrou estabilidade pelo terceiro mês consecutivo.
O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M) acelerou a 0,32% em junho após 0,21% em maio, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quinta-feira (25). O avanço foi motivado pelo índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços, que variou de 0,45% para 0,68% entre os dois meses. O indicador referente à Mão de Obra, por sua vez, mostrou estabilidade pelo terceiro mês consecutivo.
No grupo Materiais, Equipamentos e Serviços, os dois componentes aceleraram. A taxa correspondente a Materiais e Equipamentos subiu 0,81% contra 0,56% no mês anterior, com a principal influência de materiais para instalação, cuja taxa passou de 0,89% para 2,29%. Já a parte de Serviços passou de 0,02% em maio para 0,19% em junho, com destaque para taxa do item aluguel de máquinas e equipamentos, que variou de 0,20% para 0,61%.
Entre as capitais, cinco das sete analisadas registraram acréscimo em suas taxas no INCC-M de junho. São elas: Brasília (-0,04% para 0,40%), Belo Horizonte (0,02% para 0,30%), Recife (0,19% para 0,40%) e Rio de Janeiro (0,18% para 0,31%) e São Paulo (0,26% para 0,30%). Por outro lado, registraram decréscimo nas taxas de variação as cidades de Salvador (0,27% para 0,20%) e Porto Alegre (0,39% para 0,38%).
Comentários