Porto Alegre, quarta-feira, 20 de maio de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 20 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Serviços

20/05/2020 - 10h43min. Alterada em 20/05 às 10h58min

Restaurantes, bares e lancherias começam a reabrir as portas em Porto Alegre

Gambrinus reabre as portas no Mercado Público com apenas sete mesas, menos de 30% do normal

Gambrinus reabre as portas no Mercado Público com apenas sete mesas, menos de 30% do normal


João Melo/Arquivo Pessoal/JC
Thiago Copetti
A permissão para a reabertura de restaurantes, bares e lancherias com atendimento ao público, em Porto Alegre, está sendo comemorada pelo setor, mas ainda com cautela. Há dúvidas, por exemplo, sobre como será o comportamento do consumidor, assim como se o atendimento reduzido e com custos maiores para atender uma série de normas sanitárias irá compensar os custos, alerta Maria Fernanda Taroni, presidente regional da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel/RS).
A permissão para a reabertura de restaurantes, bares e lancherias com atendimento ao público, em Porto Alegre, está sendo comemorada pelo setor, mas ainda com cautela. Há dúvidas, por exemplo, sobre como será o comportamento do consumidor, assim como se o atendimento reduzido e com custos maiores para atender uma série de normas sanitárias irá compensar os custos, alerta Maria Fernanda Taroni, presidente regional da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel/RS).
Na expectativa de uma retomada gradual da demanda, porém, a movimentação de portas, panelas e mesas já ocorre em uma parte do setor desde as primeiras horas da manhã desta quarta-feira (20). No centro da Capital, por exemplo, um dos mais tradicionais restaurantes da cidade, o Gambrinus, já corria contra o tempo desde cedo para servir os primeiros almoços.
João Melo, proprietário do espaço que opera dentro do Mercado Público, pode reativar de imediato a cozinha porque não havia suspendido os contratos de trabalho da equipe, formada por 16 pessoas. Quem optou nestes 60 dias de portas abertas por suspender contratos precisará notificar os empregados e esperar 48 horas pelo retorno, por exigência legal.
“Serão apenas sete meses ( antes eram 19) e com cardápio bem enxuto. Cardápio, na verdade, nem vai ter. Vamos colocar uma folha impressa, com opções reduzidas de pratos, no plástico que recobre a mesa, sem nada circulando”, explica Melo, destacado uma das medidas de segurança sanitária.
Apesar de operações interrompidas desde março, o empresário conta que pode reabrir de imediato por que boa parte dos seus fornecedores está no próprio Mercado Público, o que facilitou a compra das mercadorias. Os estoques de bares e restaurantes, que foram esvaziados desde março, especialmente de perecíveis, é outro fator que pode impedir a retomada imediata de muitos estabelecimentos, explica a presidente da Abrasel.
“Nem todo mundo vai retomar a atividade hoje. Eu diria até que será uma minoria. Uma parte ainda está inclusive avaliando se a operação será viável por questão de custos e faturamento. E há muita incerteza sobre o comportamento dos clientes, mudanças de estrutura, fornecedores, adaptações e outras questões”, explica Maria Fernanda.
Com operação de um restaurante no Tartoni Ristorante, no shopping Bourbon Country, a empresária, por exemplo, ainda não tem certeza se e quando voltará a colocar as panelas no fogo. O custo da abertura, relata, poderá ser maior do que o ganho efetivo, especialmente em operações de shopping centers, com custos elevados de aluguel.
“Se tiver que retomar com aluguel cheio, para mim, não será viável. Não tenho como pagar integralmente aluguel e custos de operação do shopping sem nem saber o quanto se irá faturar. Estou em tratativas com o shopping, assim como muitos outros lojistas e restaurantes”, detalha Maria Fernanda.
O QUE DIZ O NOVO DECRETO
  • A prefeitura de Porto Alegre anunciou, ontem à noite, a autorização para a reabertura, a partir desta quarta-feira, de shopping centers, bares e restaurantes. O decreto também autoriza galerias e centros comerciais, igrejas, equipamentos culturais e empresas do setor do comércio e de serviços.
  • O funcionamento das atividades deverá respeitar normas de higienização, distanciamento, ocupação de até 50% da capacidade dos estabelecimentos, bem como a oferta de máscaras de proteção facial aos trabalhadores que utilizam o transporte público para o deslocamento.
  • A decisão foi tomada a partir do monitoramento dos indicadores de evolução da pandemia na Capital. Porto Alegre já havia liberado a volta da construção civil, indústria, microempresas e profissionais autônomos e liberais.
  • Nos restaurantes e lancherias, os serviços de buffet estão permitidos desde que a montagem do prato seja realizada exclusivamente pelo funcionário do serviço. Os estabelecimentos deverão observar o distanciamento de dois metros entre as mesas e lotação de até 50% da capacidade máxima, regra que também vale para os bares
    Fonte: prefeitura de Porto Alegre
Comentários