Porto Alegre, segunda-feira, 18 de maio de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 18 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Infraestrutura

Alterada em 18/05 às 16h21min

Projeto prevê doação de créditos de energia para hospitais

Jefferson Klein
Em época de pandemia, em que a solidariedade é muito importante para o segmento da saúde, vários setores estão pensando em formas de ajudar no combate ao coronavírus, inclusive o elétrico. Nesse sentido, um projeto de lei apresentado pelo deputado federal gaúcho Lucas Redecker (PSDB) e pelo parlamentar mineiro Franco Cartafina (PP) prevê a doação voluntária de créditos de energia provenientes da geração distribuída (produção de eletricidade pelo próprio consumidor, modelo que se propagou muito no Brasil através dos painéis fotovoltaicos) para, entre outras instituições, hospitais que que atuam no combate ao vírus.
Em época de pandemia, em que a solidariedade é muito importante para o segmento da saúde, vários setores estão pensando em formas de ajudar no combate ao coronavírus, inclusive o elétrico. Nesse sentido, um projeto de lei apresentado pelo deputado federal gaúcho Lucas Redecker (PSDB) e pelo parlamentar mineiro Franco Cartafina (PP) prevê a doação voluntária de créditos de energia provenientes da geração distribuída (produção de eletricidade pelo próprio consumidor, modelo que se propagou muito no Brasil através dos painéis fotovoltaicos) para, entre outras instituições, hospitais que que atuam no combate ao vírus.
Quem adota a geração distribuída pode jogar na rede elétrica o excedente do que foi produzido em relação ao seu consumo e depois obter créditos com a sua distribuidora para abater da sua conta de luz nos momentos que utiliza a energia da concessionária. No entanto, atualmente com a pandemia, Redecker destaca que, principalmente quando se trata de indústrias e de estabelecimentos comerciais, muitas dessas unidades, devido à queda de atividade econômica e por consequência a redução do consumo de energia, terão dificuldade de aproveitar esses créditos. Por outro lado, hospitais, que são complexos que apresentam enorme demanda de eletricidade, ainda mais nesse período de coronavírus, poderão fazer bom uso desses benefícios, caso sejam repassados. O deputado frisa que pessoas físicas, que têm seus painéis fotovoltaicos para aproveitar a energia solar em suas residências, também poderão ceder seus créditos.
Além de hospitais, o sistema de compensação poderá ser aproveitado ainda por entidades de atendimento ao idoso, pessoas jurídicas sem fins lucrativos reconhecidas como instituições beneficentes de assistência social, entre outros. Redecker ressalta que o projeto está tramitando na Câmara dos Deputados em regime de urgência, no entanto ele prefere não estimar um prazo para a votação da matéria. O parlamentar adianta que, o texto sendo aprovado, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) terá que fazer um regramento específico para detalhar como será realizada a doação dos créditos.
De acordo com o presidente executivo da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), Rodrigo Sauaia, o País possui cerca de 2,8 mil MW de potência instalada na geração distribuída, com uma produção média de 408 GWh/mês. “Pelas estimativas da Absolar, com a doação de apenas 1% desse total, pode-se proporcionar uma economia na conta de luz das instituições beneficiadas em torno de R$ 2,28 milhões ao mês”, aponta o dirigente. O cálculo considerou a tarifa média de energia elétrica do Brasil, de R$ 0,56 por kWh.
Dentro desse contexto, o Rio Grande do Sul é um dos estados com maior potencial de doação. De acordo com dados da Aneel, em relação à capacidade instalada com geração distribuída, os gaúchos verificam 378,3 MW implementados sendo superados no Brasil apenas pelos mineiros, com 605,7 MW.
Comentários