Porto Alegre, sexta-feira, 08 de maio de 2020.
Dia do Profissional de Marketing.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 08 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 08/05 às 18h09min

Bolsa de São Paulo fecha em alta de 2,75% e limita perda da semana a 0,30%

o índice recuperou no fechamento a linha psicológica d 80 mil pontos,

o índice recuperou no fechamento a linha psicológica d 80 mil pontos,


NELSON ALMEIDA/AFP/JC
Após avanço de 6,87% na semana passada, a última de abril, quando o Ibovespa acumulou ganho de 10,25% - o maior para o mês desde 2009 -, o Ibovespa deu largada a maio em terreno negativo, com leve perda de 0,30% nesta primeira semana do novo mês. O principal índice da B3 conseguiu limitar o ajuste negativo do intervalo, ao encerrar a sessão desta sexta-feira (8) em alta de 2,75%, a 80.263,35 pontos, não tão distante da máxima do dia, tendo oscilado entre mínima de 78.151,87 e pico de 80.556,62 pontos. Assim, o índice recuperou no fechamento a linha psicológica de 80 mil pontos, que havia cedido na segunda-feira.
Após avanço de 6,87% na semana passada, a última de abril, quando o Ibovespa acumulou ganho de 10,25% - o maior para o mês desde 2009 -, o Ibovespa deu largada a maio em terreno negativo, com leve perda de 0,30% nesta primeira semana do novo mês. O principal índice da B3 conseguiu limitar o ajuste negativo do intervalo, ao encerrar a sessão desta sexta-feira (8) em alta de 2,75%, a 80.263,35 pontos, não tão distante da máxima do dia, tendo oscilado entre mínima de 78.151,87 e pico de 80.556,62 pontos. Assim, o índice recuperou no fechamento a linha psicológica de 80 mil pontos, que havia cedido na segunda-feira.
Os ganhos se acentuaram na parte final da sessão, quando o índice passou a renovar as máximas do dia, impulsionado por sólido desempenho das ações blue chip, com Petrobras ON em alta de 6,83% - quarto melhor desempenho na carteira Ibovespa - e a PN, de 5,96%, enquanto Vale ON avançou 6,08%. Destaque também para as ações de bancos, com Bradesco PN em alta de 4,49%, Itaú Unibanco PN, de 4,10%, unit do Santander, de 4,54%, e Banco do Brasil, de 3,20%. Na ponta do Ibovespa, CVC fechou em alta de 9,08% e, no lado oposto, Via Varejo caiu 9,14%. No ano, o Ibovespa cede agora 30,60%.
O giro financeiro desta sexta-feira totalizou R$ 22,9 bilhões, mais fraco do que o do dia anterior (R$ 30,9 bilhões), quando prevaleciam temores fortes sobre a situação fiscal, especialmente após o Congresso ter mantido aberta a porta para aumentos do funcionalismo, contrariando a orientação do ministro da Economia, Paulo Guedes, que defendia que Estados e municípios deveriam oferecer contrapartidas para ter acesso a ajuda contra a pandemia.
"O mercado ainda não sabe se Paulo Guedes permanece confortável no cargo - cresce a percepção de que começa a dar sinais de cansaço. Ele tem acumulado derrotas pessoais na aproximação do governo ao Centrão, como no episódio do aumento do funcionalismo, e ainda terá outras batalhas pela frente, como a possibilidade de retomada da Cide, a qual ele se opõe", observa Marcel Zambello, analista da Necton. "Estamos muito cautelosos com relação ao Ibovespa, tendo em vista os fatores de incerteza doméstica, com a reabertura da economia ainda um pouco distante", acrescenta.
"Mas o exterior tem ajudado. Hoje, agradou essa reaproximação entre EUA e China, bem-vista pelo mercado. E o payroll americano, embora horroroso, veio um pouco melhor do que se temia", diz o analista. A taxa de desemprego dos EUA foi a 14,7% em abril, mas se chegou a estimar que poderia atingir 16% no mês, após ter se mantido até o início do ano nos menores níveis em cinco décadas.
Na economia doméstica, os sinais de fraqueza continuam a chegar: o IBGE informou hoje que o IPCA atingiu em abril mínima em 12 meses desde 1999 e a Anfavea divulgou queda recorde, de 99,3%, na produção de veículos no mesmo mês ante abril do ano passado - um mergulho sem precedentes na série histórica, iniciada em 1957.
Apesar dos sinais negativos sobre o nível de atividade, o Ibovespa acompanhou o bom humor externo, com sinais de que EUA e China retomaram canal de comunicação bilateral, o que contribui para aliviar temores quanto a eventual ruptura do acordo comercial, na esteira das acusações feitas pelo governo americano de que a China tem responsabilidade, ainda que acidental, pela eclosão da pandemia de covid-19.
Assim, mesmo com o desempenho positivo nesta sessão, o Ibovespa acumula agora perdas em duas das últimas cinco semanas, alternando entre ganhos e perdas nas últimas quatro: antes de ter subido 6,87% na semana passada, havia cedido 4,63% no intervalo até o dia 17 de abril e avançado 1,68% até o dia 9, antes da Páscoa.
Entre os dias 28 e 30 de abril, o Ibovespa também conseguiu fechar acima dos 80 mil pontos, importante linha de resistência que havia sido vencida no encerramento de 22 de abril pela primeira vez desde 13 de março. Apesar da recuperação observada especialmente no fim de abril, a trajetória do índice neste início de maio se assemelha ao observado no mês anterior, quando o Ibovespa se manteve boa parte do tempo na faixa de 78 mil a 79 mil pontos, testando a linha de 80 mil em certos momentos, mas sem conseguir se sustentar por muito tempo acima dela.
 
Comentários