Porto Alegre, terça-feira, 21 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 21 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 10h16min, 23/03/2020. Atualizada em 10h15min, 23/03/2020.

Dólar passa a cair em meio a corte de compulsório, Campos Neto e melhora externa

À vistam, moeda americana gira na casa dos R$ 5,00 nesta manhã

À vistam, moeda americana gira na casa dos R$ 5,00 nesta manhã


PATRICIA COMUNELLO/ESPECIAL/JC
O dólar apresenta oscilação na manhã desta segunda-feira (23). Às 9h55min, o dólar à vista subia 0,38%, a R$ 5,0443.
O dólar apresenta oscilação na manhã desta segunda-feira (23). Às 9h55min, o dólar à vista subia 0,38%, a R$ 5,0443.
Sob monitoramento dos mercados, está a entrevista de agora do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. Ele disse que "é importante manter condições monetárias estimulativas, sem prejudicar inflação".
Também é precificado por investidores expectativas de novo corte da Selic no Copom de maio, após o BC ter reforçado na ata da reunião da semana passada, divulgada hoje cedo, que está pronto para agir conforme novos dados.
O economista da Haitong, Flávio Serrano, afirma manter expectativa de corte de 0,50 ponto no Copom de maio. A Selic foi reduzida em 0,50 ponto, para 3,75% na quarta-feira passada (18).
O mercado repercute ainda a decisão do Conselho Monetário Nacional (CMN) de autorizar o BC a dar empréstimos a instituições financeiras garantidos em debêntures e de autorizar os bancos a captarem por meio de depósitos a prazo com garantia especial (DPGE).
Na abertura, o dólar subiu frente o real, acompanhando a valorização ante outras moedas emergentes ligadas a commodities devido à tensão com a pandemia do coronavírus. Mas rapidamente o sinal se inverteu para baixo, influenciado pela melhora no exterior após o Federal Reserve anunciar novos estímulos econômicos em meio à pandemia de coronavírus.
Comentários CORRIGIR TEXTO