Porto Alegre, terça-feira, 21 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 21 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

conjuntura

- Publicada em 18h46min, 15/03/2020. Atualizada em 18h46min, 15/03/2020.

Fed corta juros nos Estados Unidos para faixa de 0% a 0,25%

O Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) cortou os juros da faixa de 0% a 0,25% em uma reunião extraordinária neste domingo (15). A decisão foi por 9 votos a 1. As consequências econômicas da pandemia de coronavírus foram apontadas como justificativa para a decisão.
O Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) cortou os juros da faixa de 0% a 0,25% em uma reunião extraordinária neste domingo (15). A decisão foi por 9 votos a 1. As consequências econômicas da pandemia de coronavírus foram apontadas como justificativa para a decisão.
"Os efeitos do coronavírus irão pesar na atividade econômica no curto prazo e representar riscos para as perspectivas econômicas", diz a instituição. "O surto de coronavírus prejudicou comunidades e interrompeu a atividade econômica em muitos países, incluindo os Estados Unidos. As condições financeiras globais também foram significativamente afetadas. Os dados econômicos disponíveis mostram que a economia dos EUA entrou neste período desafiador em uma base sólida."
O Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) disse que continuará monitorando as implicações das informações recebidas para as perspectivas econômicas, incluindo as relacionadas à saúde pública, desenvolvimentos globais e pressões inflacionárias.
A instituição se comprometeu ainda a usar suas ferramentas e atuar conforme apropriado para apoiar a economia.
"Ao determinar o momento e o tamanho dos ajustes futuros na orientação da política monetária, o Comitê avaliará as condições econômicas realizadas e esperadas em relação ao seu objetivo máximo de emprego e ao seu objetivo simétrico de 2% da inflação", diz o comunicado.
O voto dissidente foi da presidente do Fed de Cleveland, Loretta Mester.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO