Porto Alegre, segunda-feira, 16 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 16/03/2020. Alterada em 16/03 às 03h00min

Vacinação contra febre aftosa começa nesta segunda-feira

A primeira etapa da campanha de vacinação da febre aftosa, prevista para maio, começa nesta segunda-feira e prosseguirá até 14 de abril. A antecipação foi solicitada pelo secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Covatti Filho, e autorizada em parecer do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A dose da vacina segue a mesma das etapas anteriores, de 2 ml - a vacina passou a ser bivalente, permanecendo a proteção contra os vírus tipo A e O (removido tipo C).
A primeira etapa da campanha de vacinação da febre aftosa, prevista para maio, começa nesta segunda-feira e prosseguirá até 14 de abril. A antecipação foi solicitada pelo secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Covatti Filho, e autorizada em parecer do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A dose da vacina segue a mesma das etapas anteriores, de 2 ml - a vacina passou a ser bivalente, permanecendo a proteção contra os vírus tipo A e O (removido tipo C).
"Estamos motivando nossos pecuaristas para que não deixem a vacinação do rebanho para a última hora. A mobilização é para que a imunização seja feita em sua maior parte até o final de março, permitindo às empresas terem gestão adequada de seus estoques e evitando falta da vacina pela procura de última hora", destaca Covatti Filho. Em todo o Rio Grande do Sul, a expectativa é que 12,6 milhões de animais sejam imunizados, entre bovinos e bubalinos de todas as idades. Os produtores devem comprar as doses necessárias para a vacinação do seu rebanho em casas agropecuárias credenciadas pela Secretaria da Agricultura (Seapdr). Após, deverão comprovar a vacinação através da apresentação da nota fiscal até 22 de abril.
A partir de hoje, a movimentação de bovídeos só poderá ser realizada mediante vacinação prévia da propriedade, obedecidos os prazos de carência. A antecipação faz parte da estratégia do Estado para ser declarado pelo Mapa como livre de aftosa sem vacinação, a fim de obter, em um segundo momento, o reconhecimento internacional dessa condição pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).
Até o momento, no Brasil, apenas os estados de Santa Catarina e Paraná conquistaram o status sanitário de zona livre de aftosa sem vacinação. A primeira etapa da vacinação do rebanho contra a aftosa ocorreu em maio de 2019 e envolveu 288.875 propriedades rurais com 12,6 milhões de bovinos e búfalos. Foram imunizados 12,5 milhões de animais, correspondendo a 99% do rebanho, em 279.879 estabelecimentos, que representam 96,89% das propriedades no Estado. A segunda etapa, em novembro, envolveu apenas bovinos e bubalinos na faixa etária de zero a 24 meses.