Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

turbulência global

- Publicada em 03h00min, 13/03/2020. Atualizada em 08h42min, 13/03/2020.

Bolsas pelo mundo têm o pior dia em 30 anos

As bolsas de valores do mundo tiveram o pior pregão desde 19 de outubro de 1987 na quinta-feira (12), período conhecido como Segunda-Feira Negra, no qual o índice Dow Jones desabou 22,61%. No Brasil, o Ibovespa derreteu 14,78%, marca só vista anteriormente em 1998 - ainda na quinta-feira, a bolsa brasileira acionou duas vezes o circuit breaker (quando as cotações caem 10% e 15%, respectivamente).
As bolsas de valores do mundo tiveram o pior pregão desde 19 de outubro de 1987 na quinta-feira (12), período conhecido como Segunda-Feira Negra, no qual o índice Dow Jones desabou 22,61%. No Brasil, o Ibovespa derreteu 14,78%, marca só vista anteriormente em 1998 - ainda na quinta-feira, a bolsa brasileira acionou duas vezes o circuit breaker (quando as cotações caem 10% e 15%, respectivamente).
O pregão brasileiro escapou do terceiro circuit breaker do dia por pouco. Por volta das 13h50min, o Ibovespa cedia 19,60% quando o Fed, banco central americano, anunciou compras de títulos do Tesouro americano, o que aumenta a liquidez no mercado financeiro.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/03/12/206x137/1_bolsa-9009848.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5e6aa76cce8e4', 'cd_midia':9009848, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/03/12/bolsa-9009848.jpg', 'ds_midia': 'Fechamento - Bolsa', 'ds_midia_credi': 'Bolsa', 'ds_midia_titlo': 'Fechamento - Bolsa', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '532', 'align': 'Left'}
A medida inverteu a aceleração do tombo - caso a marca de 20% de queda fosse atingida, um terceiro circuit breaker seria acionado, dessa vez, por tempo indeterminado.
No início das negociações desta quinta-feira, o mecanismo foi acionado duas vezes. A primeira foi logo na abertura do pregão, às 10h21min, quando a bolsa chegou a cair 11,65%. A parada foi de meia hora. A segunda foi às 11h12min, quando o índice recuou 15,43%. Nesta semana, o circuit breaker foi acionado quatro vezes, reflexo da piora da percepção do coronavírus sobre a economia global.
Gol e Azul voltaram a compartilhar a ponta negativa do Ibovespa, com a primeira em queda de 36,29% e a segunda, de 32,89%, no fechamento de quinta-feira, com CVC logo a seguir, em baixa de 29,11%. O setor de turismo tem sido o mais castigado pela disseminação global do coronavírus.
Entre as blue chips, Petrobras PN fechou em baixa de 20,50%, e a ON, de 21,08%, enquanto Vale ON cedeu 13,23% na sessão. Como tem sido a norma em dias de queda espalhada, nenhuma ação do Ibovespa fechou o dia no positivo. Entre os bancos, Bradesco PN caiu 13,41%; Banco do Brasil, 13,29%; e Itaú Unibanco, 9,82%.
Nos Estados Unidos, a Bolsa de Nova York também acionou o circuit breaker no início do pregão desta quinta-feira, parando negociações por 15 minutos, quando o índice S&P 500 caiu mais de 7%.
Na Europa, índices acionários que reúnem as maiores empresas da região tiveram as piores perdas da história nesta quinta-feira. O FTSEurofirst 300 caiu 11,53%, enquanto o índice pan-europeu Stoxx 600 perdeu 11,48%.
As quedas em todo o planeta desaceleraram com a notícia de que o Fed de Nova York vai injetar US$ 1,5 trilhão em operações.

Após passar de R$ 5,00, BC intervém e dólar termina cotado a R$ 4,789

No Brasil, após o Banco Central (BC) realizar quatro leilões à vista, o dólar reduziu alta e fechou a R$ 4,789, novo recorde nominal. Na abertura do mercado, a cotação da moeda ultrapassou os R$ 5,00 pela primeira vez na história.

Na avaliação do sócio e gestor da Absolute Invest, Roberto Serra, com os juros baixos no Brasil, o movimento de carry trade havia parado, estratégia em que um investidor toma recursos em um mercado de juro baixo e aplica em outro de taxas altas. "Os investidores estavam sem muita alavancagem em moedas", disse ele. Investidores têm mostrado frustração com a falta de medidas mais claras de Donald Trump para fazer face aos efeitos do coronavírus, o que ajuda a desencadear movimento de busca de porto seguro. O sócio da gestora Portofino Investimentos, Adriano Cantreva, ressalta que os governos têm mostrado reação rápida ao redor do mundo e Trump não vai querer chegar perto das eleições com a economia americana muito enfraquecida.

Para ele, a expectativa é de que os efeitos da doença sejam transitórios, inclusive no Brasil, onde o Produto Interno Bruto (PIB) deve crescer menos que o esperado em 2020. A gestora SPX Capital já prevê avanço de apenas 0,9% neste ano. Por enquanto, o clima é de "corrida para ativos sem risco", ressalta Cantreva.

Comentários CORRIGIR TEXTO