Porto Alegre, terça-feira, 21 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 21 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

indústria

- Publicada em 10h27min, 12/03/2020. Atualizada em 10h27min, 12/03/2020.

Indústria gaúcha cresce acima da média nacional no primeiro mês de 2020

Produção em janeiro subiu em 13 dos 15 locais pesquisados pelo IBGE

Produção em janeiro subiu em 13 dos 15 locais pesquisados pelo IBGE


JIM YOUNG/AFP/JC
Bruna Oliveira
A produção industrial do Rio Grande do Sul cresceu 2,7% em janeiro de 2020 ante dezembro do ano passado, acima da alta de 0,9% da indústria nacional. A produção no primeiro mês do ano subiu em 13 dos 15 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), segundo os dados divulgados pelo instituto nesta quinta-feira (12).
A produção industrial do Rio Grande do Sul cresceu 2,7% em janeiro de 2020 ante dezembro do ano passado, acima da alta de 0,9% da indústria nacional. A produção no primeiro mês do ano subiu em 13 dos 15 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), segundo os dados divulgados pelo instituto nesta quinta-feira (12).
Os maiores avanços foram registrados na Bahia (10,3%) e em Pernambuco (8,7%), seguidos de Rio de Janeiro (3,9%) e Região Nordeste (3,2%). Já Pará (-4,2%) e Mato Grosso (-2,3%) apresentaram recuos.
Na comparação com janeiro do ano anterior, a produção gaúcha caiu 1,6%, também repetindo o desempenho nacional (-0,9). Neste recorte anual, a indústria mostrou alta em apenas 8 dos 15 locais pesquisados.
Fabricação de produtos do fumo (45,7%) e fabricação de celulose, papel e produtos de papel (32,0%) tiveram os melhores resultados por segmento no Estado. Na outra ponta, a fabricação de produtos químicos (-14,6%) e a fabricação de máquinas e equipamentos (-6,4%) lideraram os recuos na comparação com janeiro do ano passado.
Comentários CORRIGIR TEXTO