Porto Alegre, quarta-feira, 04 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

habitação

Notícia da edição impressa de 04/03/2020. Alterada em 03/03 às 21h24min

Caixa aposta em financiamento com taxa fixa

Construção civil teve forte alta no emprego ano passado

Construção civil teve forte alta no emprego ano passado


MARCELO G. RIBEIRO/arquivo/JC
Eduardo Lesina
A Caixa quer retomar o posto de "banco da habitação brasileiro". A instituição, que voltou a ser líder na concessão de financiamento para a casa própria, anunciou, no último mês, a criação de uma nova linha de crédito imobiliário com taxa fixa de até 9,75% ao ano. Em encontro no Sinduscon-RS, o superintendente regional de negócios de habitação da Caixa Econômica, Ricardo Bier Troglio, reuniu-se com empresários do setor para apresentar as mudanças.
A Caixa quer retomar o posto de "banco da habitação brasileiro". A instituição, que voltou a ser líder na concessão de financiamento para a casa própria, anunciou, no último mês, a criação de uma nova linha de crédito imobiliário com taxa fixa de até 9,75% ao ano. Em encontro no Sinduscon-RS, o superintendente regional de negócios de habitação da Caixa Econômica, Ricardo Bier Troglio, reuniu-se com empresários do setor para apresentar as mudanças.
Atualmente, a Caixa detém aproximadamente 70% do mercado de crédito imobiliário, somando R$ 464 bilhões em toda a sua carteira. A reorganização das contas do banco, a estabilidade no controle da inflação e nas taxas de juros, assim como a diminuição do desemprego, serviram de alavanca na aquisição de imóveis diante da demanda reprimida.
Em 2019, o setor da construção civil cresceu 315% a quantidade de novos empregos gerados, apontando para uma nova crescente no segmento. Esses fatores explicam o lançamento do novo modelo de crédito, mas também reforçam o objetivo da Caixa Econômica de retomar o posto na questão habitacional brasileira. No último ano, já de retomada do banco, mais de 103 mil financiamentos foram realizados. A grande novidade é a criação da taxa fixa, entre 8% e 9,75%, que garante ao consumidor o pagamento de um mesmo valor por parcela em até 30 anos. Além disso, Troglio e o superintendente executivo de habitação, Jairo Antonio Manfro, apresentaram dados sobre a retomada da Caixa ao posto de líder em concessão de crédito imobiliário no último ano. Em 2019, o banco já tinha anunciado uma linha de crédito atualizada pelo IPCA, que também motivou o setor da construção civil.
Para o presidente do Sinduscon-RS, Aquiles Dal Molin Jr., as novidades se somam às expectativas positivas do setor imobiliário, uma vez que abre mais opções de financiamento. "Com a redução das parcelas haverá opções de financiamento de baixa renda, uma vez que algumas pessoas que antes não passavam na análise de crédito poderão passar. Acreditamos que o setor vai se desenvolver muito no ano que vem", afirmou Dal Molin Jr. Com o foco no Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), a Caixa Econômica Federal apresentou, em 2019, um crescimento duas vezes maior na concessão de crédito imobiliário em comparação com 2018, passando de R$ 13 bilhões para R$ 26,6 bilhões. Após o lançamento da taxa fixa, a Caixa passa a contar com três linhas de crédito SBPE: a tradicional, TR 6,5% ao ano; IPCA, com taxas de juros a partir de 2,95% ao ano; e a taxa fixa, de 9,75% ao ano. "As outras duas modalidades, mesmo com a TR sem variação, não trazem a previsibilidade ao longo de 30 anos. A taxa fixa traz essa estabilidade ao consumidor". Troglio afirma que as modalidades são indicadas caso a caso, assim o consumidor deve buscar o que mais se encaixa no seu orçamento.