Porto Alegre, sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

trabalho

Notícia da edição impressa de 28/02/2020. Alterada em 28/02 às 03h00min

Mudanças no eSocial atrasam dados do Caged

Governo negou a existência de falhas no sistema

Governo negou a existência de falhas no sistema


RAFAEL NEDDERMEYER/FOTOS PÚBLICAS/JC
A reformulação do eSocial, sistema de informação digital de obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas por parte das empresas, encampada pelo governo federal, vai atrasar a divulgação dos dados do emprego formal. O resultado do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) sobre admissões de demissões em janeiro só será conhecido na segunda quinzena de março. Os números são aguardados pelo mercado e até então, costumavam ser divulgados no mês subsequente.
A reformulação do eSocial, sistema de informação digital de obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas por parte das empresas, encampada pelo governo federal, vai atrasar a divulgação dos dados do emprego formal. O resultado do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) sobre admissões de demissões em janeiro só será conhecido na segunda quinzena de março. Os números são aguardados pelo mercado e até então, costumavam ser divulgados no mês subsequente.
A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho negou a existência de falhas e informou em nota que o atraso se deve a mudança no prazo máximo que os empregadores têm para repassar as informações sobre admissões e demissões, que passou do dia 7 para o dia 15 de cada mês.
Mas, diante de dificuldades para prestar as informações em janeiro, as empresas tiveram que enviar os dados pelo sistema antigo do Caged e pelo eSocial. "A solicitação para o uso do Caged para o envio de informações foi pontual e ocorreu apenas para garantir a geração e a divulgação de informações mensais sobre emprego formal no país de forma tempestiva", justificou a Secretaria.
Para o especialista Rodolfo Torelly, ex-funcionário do Ministério do Trabalho, o atraso no cronograma revela problemas na transição dos sistemas. "O mercado está aguardando esses dados. Muita gente trabalha com planejamento, usando os dados do Caged. O Caged era um registro administrativo que sempre funcionou muito bem", lamentou.