Porto Alegre, terça-feira, 21 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 21 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Indústria

- Publicada em 03h15min, 28/02/2020. Atualizada em 03h00min, 28/02/2020.

Indústria gaúcha ganha ritmo mais intenso

Uso da capacidade instalada caiu de 68% em dezembro, para 67%, próximo do índice médio de janeiro

Uso da capacidade instalada caiu de 68% em dezembro, para 67%, próximo do índice médio de janeiro


LEONID STRELIAEV/DIVULGAÇÃO/JC
A indústria gaúcha começa 2020 em ritmo mais intenso, com crescimento na produção (53,2 pontos) e no emprego (53,5) na comparação com dezembro do ano passado, quando foram de 42,4 e 48,8 pontos, respectivamente. É o que revela a Sondagem Industrial do RS, divulgada nesta quinta-feira pela Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs). "O empresário gaúcho mostra disposição para investir, mas também tem a expectativa da continuidade das aprovações das reformas necessárias para o País, especialmente a tributária", diz o presidente da Fiergs, Gilberto Petry.
A indústria gaúcha começa 2020 em ritmo mais intenso, com crescimento na produção (53,2 pontos) e no emprego (53,5) na comparação com dezembro do ano passado, quando foram de 42,4 e 48,8 pontos, respectivamente. É o que revela a Sondagem Industrial do RS, divulgada nesta quinta-feira pela Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs). "O empresário gaúcho mostra disposição para investir, mas também tem a expectativa da continuidade das aprovações das reformas necessárias para o País, especialmente a tributária", diz o presidente da Fiergs, Gilberto Petry.
Os resultados da produção e do emprego, acima dos 50 pontos, expressam elevação ante o mês anterior, desempenho bem acima de suas respectivas médias históricas para o primeiro mês do ano (47,9 e 49,6 pontos). Já a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) caiu de 68%, em dezembro, para 67%, muito próximo do grau médio para janeiro (67,2%). O índice de UCI em relação ao usual em 47 pontos mostrou que, na avaliação dos empresários, a capacidade continuou abaixo do usual para o mês, patamar dado pelos 50 pontos.
Em janeiro, o índice que mede os estoques de produtos finais relativamente ao planejado pelas empresas foi de 48,5 pontos. Valores abaixo de 50 indicam nível menor do que o planejado, mas, diferentemente de outros indicadores, sinalizam uma demanda superior à esperada. "A indústria gaúcha tem total capacidade para aumentar a produção nos próximos meses", afirma o presidente da Fiergs.
Realizada entre 3 e 12 de fevereiro, a Sondagem Industrial apontou também que a expectativa da indústria gaúcha para os próximos seis meses não apenas continuou positiva, como melhorou em relação a janeiro. A exceção foram as exportações, cujo otimismo arrefeceu. Todos os índices seguiram acima dos 50 pontos, que refletem perspectivas de crescimento: a demanda subiu de 61,1, em janeiro, para 63,8 pontos, compras de insumos e matérias-primas, de 59 para 62, e emprego, de 55,4 pontos para 57,1. Já as exportações recuaram de 55,4 para 55 no segundo mês do ano.
O índice de intenção de investimentos nos próximos seis meses caiu 0,8 ponto ante janeiro, atingindo 57,1 pontos em fevereiro. Apesar disso, continuou bem acima de sua média histórica (49,4 pontos). Quanto maior o valor, mais empresas estão dispostas a investir.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO