Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Consumo

Notícia da edição impressa de 18/02/2020. Alterada em 18/02 às 03h00min

Procon fará pesquisa de gás de cozinha na Capital

Procon visitou 34 estabelecimentos que comercializam o produto em Porto Alegre

Procon visitou 34 estabelecimentos que comercializam o produto em Porto Alegre


/JOÃO MATTOS/arquivo/JC
A prefeitura de Porto Alegre divulga nesta semana nova pesquisa de preços do gás de cozinha na Capital. Realizado pelo Procon, órgão ligado à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (SMDE), o levantamento percorreu 34 estabelecimentos. O menor preço encontrado para o botijão P13, sem taxa de entrega, foi de R$ 65,00 e, o maior, de R$ 76,00. Com a taxa, os valores variam de R$ 72,00 a R$ 87,90. Em alguns estabelecimentos, a taxa de entrega chega a custar R$ 18,00. Quanto ao botijão P45, os preços oscilam entre R$ 250,00 e R$ 350,00.
A prefeitura de Porto Alegre divulga nesta semana nova pesquisa de preços do gás de cozinha na Capital. Realizado pelo Procon, órgão ligado à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (SMDE), o levantamento percorreu 34 estabelecimentos. O menor preço encontrado para o botijão P13, sem taxa de entrega, foi de R$ 65,00 e, o maior, de R$ 76,00. Com a taxa, os valores variam de R$ 72,00 a R$ 87,90. Em alguns estabelecimentos, a taxa de entrega chega a custar R$ 18,00. Quanto ao botijão P45, os preços oscilam entre R$ 250,00 e R$ 350,00.
O município recomenda alguns cuidados na hora de adquirir o gás de cozinha. "Além de comprar somente de revendedores autorizados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, aconselhamos que o consumidor verifique se o botijão se encontra em boas condições, com lacre, rótulo de segurança com instruções de uso, nome da empresa fornecedora em alto relevo, assim como mês e ano de fabricação legível. O consumidor não deve aceitar botijões amassados, danificados ou enferrujados", adverte a diretora executiva do Procon Porto Alegre, Fernanda Borges.
O Procon Porto Alegre é exclusivo para residentes no município, que podem registrar reclamações diretamente pelo site, pelo atendimento eletrônico, ou pessoalmente na rua dos Andradas, 686, térreo, Centro Histórico. O funcionamento é de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h. São distribuídas 80 fichas diárias, com atendimento por ordem de chegada. O consumidor também pode realizar o agendamento prévio para o atendimento presencial no site, sendo fornecidas 11 senhas diárias.