Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado financeiro

13/02/2020 - 10h04min. Alterada em 13/02 às 10h07min

Após declarações de Paulo Guedes, dólar bate novo recorde no Plano Real

Moeda bate novo recorde no Plano Real ao bater na máxima de R$ 4,3830 no mercado à vista

Moeda bate novo recorde no Plano Real ao bater na máxima de R$ 4,3830 no mercado à vista


YURI CORTEZ/AFP/JC
O dólar bate novo recorde no Plano Real ao bater na máxima de R$ 4,3830 no mercado à vista, alta de 0,74%, na manhã desta quinta-feira (13). A elevação ocorre após as declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre o nível do câmbio.
O dólar bate novo recorde no Plano Real ao bater na máxima de R$ 4,3830 no mercado à vista, alta de 0,74%, na manhã desta quinta-feira (13). A elevação ocorre após as declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre o nível do câmbio.
A retomada da tensão ligada ao coronavírus também influencia o mercado.
Por volta das 10h, a moeda atingia R$ 4,37 para compra, alta de 0,45%.
Por volta das 9h30min, a taxa do contrato de depósito interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021 estava em 4,245%, de 4,225% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2023 marcava 5,42%, de 5,37% no ajuste anterior. O vencimento para janeiro de 2025 exibia taxa de 6,09%, de 6,03% no ajuste dessa quarta (12). 
A moeda americana está forte também em relação a outras divisas emergentes ligadas a commodities, após investidores no exterior terem conduzido uma realização de ganhos mais cedo com o dólar ante o real.
O avanço no mercado doméstico vem após a defesa do dólar forte pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, que não considera o câmbio nervoso, e dos dados de serviços no País em dezembro melhores que o esperado.
Os números da pesquisa de serviços do IBGE vieram melhor que a mediana em dezembro na comparação mensal (-0,4%) e o de 2019 em linha com a mediana (+1,0%) e não devem gerar muitos ajustes em relação às apostas para política monetária, ficando em segundo plano, segundo um profissional de renda fixa.