Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

agronegócios

Notícia da edição impressa de 13/02/2020. Alterada em 13/02 às 13h41min

Brasil possui 2.280 aeronaves no campo, segundo dados do Sindag

Segmento registra aumento de 3,9% em relação ao ano passado

Segmento registra aumento de 3,9% em relação ao ano passado


/CASTOR BECKER JUNIOR/DIVULGAÇÃO/JC
A aviação agrícola brasileira entrou 2020 com 2.280 aeronaves (2.265 aviões e 15 helicópteros), segundo números divulgado nessa quarta-feira, pelo Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag). O resultado representa incremento de 86 aparelhos em 2019, uma alta de 3,9% durante o ano. Indica também a manutenção do ritmo de crescimento de 2018, quando a frota (com 2.194 aeronaves) apresentou expansão de 3,74% em relação ao ano anterior.
A aviação agrícola brasileira entrou 2020 com 2.280 aeronaves (2.265 aviões e 15 helicópteros), segundo números divulgado nessa quarta-feira, pelo Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag). O resultado representa incremento de 86 aparelhos em 2019, uma alta de 3,9% durante o ano. Indica também a manutenção do ritmo de crescimento de 2018, quando a frota (com 2.194 aeronaves) apresentou expansão de 3,74% em relação ao ano anterior.
O balanço foi apresentado pelo diretor-executivo do sindicato aeroagrícola durante encontro com empresários, pilotos e dirigentes do setor dentro da 30º Abertura Oficial da Colheita do Arroz, que ocorre até sexta-feira), em Capão do Leão, no Rio Grande do Sul. Os dados foram apurados pelo engenheiro agrônomo e consultor do Sindag Eduardo Cordeiro de Araújo, junto ao Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB) da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O levantamento considerou a frota total até 31 de dezembro. O estudo Frota Brasileira de Aeronaves Agrícolas - 2019 abrange também o número de empresas aeroagrícolas (categoria SAE-AG, que são as prestadoras de serviços aos produtores), que passou de 253 em 2018 para 267 este ano - aumento de 5,13% (superior aos 3,7% de crescimento em 2018).