Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Aviação

Alterada em 04/02 às 15h29min

Latam deixará em maio aliança com empresas aéreas

Atualmente, as empresas compartilham serviços de compra de passagens a check-in

Atualmente, as empresas compartilham serviços de compra de passagens a check-in


Latam Brasil/Divulgação/JC
A Latam vai deixar em 1º de maio a aliança internacional de empresas aéreas Oneworld. A companhia área afirma que vai preservar os benefícios dos passageiros até 30 de abril e que vai manter acordos bilaterais com a maioria das empresas do grupo.
A Latam vai deixar em 1º de maio a aliança internacional de empresas aéreas Oneworld. A companhia área afirma que vai preservar os benefícios dos passageiros até 30 de abril e que vai manter acordos bilaterais com a maioria das empresas do grupo.
A partir de maio, clientes do programa de fidelidade da Latam não poderão acessar áreas VIPs e nem acumular pontos de fidelidade em voos da companhia American Airlines, uma das integrantes do grupo, formado por 13 companhias. O consumidor terá um ano para resgatar os pontos somados até 30 de abril.
Atualmente, as empresas compartilham serviços de compra de passagens, despacho de bagagem, check-in, entre outros.
A companhia brasileira vai manter acordos bilaterais com as empresas British Airways, Cathay Pacific, Finnair, Iberia, Japan Airlines, Malaysia Airlines, Qantas, Qatar Airways, Royal Jordanian, S7 Airlines e SriLankan Airline.
Esses acordos vão permitir a compra de passagens nos sites das companhias parceiras, acúmulo e resgate de pontos, além de acesso recíproco às salas VIP.
A mudança acontece em meio a negociações da Latam com a americana Delta, concorrente da American Airlines, para compartilhamento de voos e rotas. Ex-sócia da Gol, a Delta fechou a compra de 20% de participação da Latam em setembro de 2019 e saiu do acordo de voos compartilhados com a empresa brasileira.
A Latam anunciou também que transferiu suas operações no aeroporto internacional John F. Kennedy, em Nova Iorque, nos Estados Unidos, do terminal 8 para o terminal 4, de responsabilidade da Delta
Folhapress
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia