Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

logística

- Publicada em 03h00min, 22/01/2020.

Privatização dos Correios deve avançar no Congresso

Processo de venda irá ocorrer em 2021

Processo de venda irá ocorrer em 2021


MARCELO G. RIBEIRO/JC

O secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Salim Mattar, acredita que "o Congresso brasileiro é muito sensato e responsável" para conseguir concretizar a privatização dos Correios. "Não faz sentido mais ter uma empresa para entregar cartas se ninguém mais escreve cartas", afirmou o secretário em entrevista.

O secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Salim Mattar, acredita que "o Congresso brasileiro é muito sensato e responsável" para conseguir concretizar a privatização dos Correios. "Não faz sentido mais ter uma empresa para entregar cartas se ninguém mais escreve cartas", afirmou o secretário em entrevista.

Mattar elencou, entre as razões pela privatização dos Correios, o aumento no número de funcionários, a perda de eficiência e o déficit com o plano de saúde dos funcionários de R$ 3,9 bilhões e no fundo de pensão Postalis de R$ 11 bilhões. "Vai chegar uma hora em que não terá mais condições de continuar funcionando."

Ainda segundo o secretário, sobre os critérios de desestatização, "a coisa mais estratégica em um país é educação, saúde, segurança e saneamento. Isso é que é estratégico", e citou como exemplos em que o interesse estatal é discutível, citando casos como o da Embraer e o do Banco do Brasil. "Estratégico em um país é a qualidade de vida do cidadão."

Entre as metas da secretaria para 2020, o secretário disse, também, que espera vender cerca de 300 ativos, entre controladas, subsidiárias, coligadas e participações do governo, e arrecadar em torno de R$ 150 bilhões.

Mattar defendeu, ainda, que o governo deve privatizar suas empresas geradoras e transmissoras de energia. Segundo o secretário especial, há US$ 1,5 trilhão para investimentos disponíveis no mundo, sobretudo em infraestrutura, que abarca os setores de energia, nos quais seriam destinados boa parte desses recursos. "Se existe US$ 1,5 trilhão que pode construir geradoras e distribuidoras de energia, não há motivo para o Estado manter esse tipo de negócio", disse.

Perguntado sobre o andamento das concessões de estatais que estão no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) e no Programa Nacional de Desestatização (PND), Mattar afirmou que o governo pretende vender as subsidiárias ligadas ao Banco do Brasil, Caixa e Petrobras.

Segundo o secretário especial, as concessões das subsidiárias não precisam de aval do Congresso e, portanto, devem caminhar mais rapidamente.

Já as companhias que precisam passar pelo Congresso, como a Casa da Moeda e os Correios, "podem atrasar". A previsão do secretário é de que a Casa da Moeda seja concedida à iniciativa privada neste ano, mas ponderou que a concessão dos Correios deve ocorrer apenas em 2021, por se tratar de "uma empresa maior".

Comentários CORRIGIR TEXTO