Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de janeiro de 2020.
Feriado nos EUA: Dia de Martin Luther King.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Fiscalização

Alterada em 21/01 às 14h09min

Análise particular nega contaminação de água da fábrica da Backer

As amostras para o teste do químico contratado pela cervejaria foram enviados pela Backer

As amostras para o teste do químico contratado pela cervejaria foram enviados pela Backer


CERVEJARIA BACKER/INSTAGRAM/REPRODUÇÃO/JC
Resultados apresentados nesta terça-feira (21) por um químico contratado pela cervejaria Backer nega contaminação da água da fábrica com dietilenoglicol, conforme detectou o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), e aponta redução nos níveis da substância em três lotes das cervejas Belorizontina e Capixaba produzidos entre 11 de novembro e 3 de janeiro.
Resultados apresentados nesta terça-feira (21) por um químico contratado pela cervejaria Backer nega contaminação da água da fábrica com dietilenoglicol, conforme detectou o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), e aponta redução nos níveis da substância em três lotes das cervejas Belorizontina e Capixaba produzidos entre 11 de novembro e 3 de janeiro.
No caso da água, as amostras para o teste do químico contratado pela cervejaria foram enviados pela própria Backer. O químico contratado, Bruno Botelho, do Laboratório de Análise e Produção de Cerveja - La Beer, afirmou, durante apresentação do resultado, ser difícil que a contaminação tenha ocorrido por vazamento, ou seja, que o dietilenoglicol, usado no sistema de refrigeração de sistemas de produção de cerveja, tenha se juntado ao líquido em alguma das etapas de sua fabricação.
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
"O perfil de declínio da concentração de dietilenoglicol dificulta associar a um vazamento. Se fosse um vazamento, a concentração permaneceria constante", afirmou.
Em seguida, durante questionamentos de repórteres, Botelho disse não ser possível descartar a possibilidade de vazamento por não ter conhecimento da fábrica da Backer. "Fui contratado para analisar a cerveja", disse.
Os resultados apresentados pelo químico mostram que o lote número L2 1348, de Belorizontina e Capixaba, produzido em 11 de novembro, tinha 0,83 grama por 100 mililitros de cerveja. Outro, o L2 1354, de 22 de novembro, tinha 0,67 grama por 100 mililitros do líquido. O terceiro, o L2 1557, de 3 de janeiro, continha 0,218 grama por mililitro do produto.

Contaminação

Quatro pessoas morreram com suspeitas de contaminação por dietilenoglicol depois de tomarem a cerveja Belorizontina em Minas Gerais. Do total, uma vítima teve a presença da substância confirmada no organismo. As outras três seguem sob investigação. A Secretaria de Estado de Saúde informou nesta segunda-feira (20) que, até o momento, foram feitas 21 notificações por suspeitas de contaminação pelo dietilenoglicol na Belorizontina.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia