Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Edição impressa de 14/01/2020. Alterada em 12/01 às 16h03min

Renner começa a usar energia solar em loja no Rio Grande do Sul

Fazenda solar em Pantano Grande gera energia para loja situada em Porto Alegre

Fazenda solar em Pantano Grande gera energia para loja situada em Porto Alegre


RENNER/DIVULGAÇÃO/JC
Patrícia Comunello
A maior varejista de moda do Brasil aderiu ao uso de fonte de energia solar e começa a usar no Rio Grande do Sul. Segundo a Renner, a loja no Shopping João Pessoa, em Porto Alegre, está sendo abastecida por energia gerada em fazenda solar de Pantano Grande, a 128 quilômetros da Capital.
A maior varejista de moda do Brasil aderiu ao uso de fonte de energia solar e começa a usar no Rio Grande do Sul. Segundo a Renner, a loja no Shopping João Pessoa, em Porto Alegre, está sendo abastecida por energia gerada em fazenda solar de Pantano Grande, a 128 quilômetros da Capital.
"Uma fazenda solar", onde ficam os painéis fotovoltaicos, foi ativada no fim de dezembro. O empreendimento é de um empreendedor parceiro, informou a varejista. São mil painéis fotovoltaicos, com capacidade para gerar, em média, 0,5 mil megawatts/hora/ano, com 362 kilowatts (kW) de potência.
O abastecimento segue o modelo de geração distribuída, pelo qual a fazenda solar (que é um micro ou minigerador) injeta na rede de distribuição o volume produzido e recebe créditos para ter acesso à energia fornecida pela empresa distribuidora.
Os créditos obtidos pela microgeração "pagam" a conta de luz da concessionária, no caso a CEEE, na Capital, que abastece a loja. A redução da despesa com energia da filial do shopping será de 26% ao ano, diz a Lojas Renner, companhia listada na bolsa de valores, B3.
O uso da energia renovável pela companhia gaúcha ocorre desde o início de 2019. Quatro lojas no Rio de Janeiro foram as precursoras. Uma fazenda solar em Vassouras, no interior fluminense, é a fonte de geração. Os planos da rede na sequência é ativar uma fazenda solar no Distrito Federal, que entrará em operação no primeiro semestre de 2020. O parque abastecerá três lojas em Brasília.
A Renner informou que o investimento atende a metas, anunciadas em 2018, para suprir 75% do consumo corporativo de energia a partir de fontes renováveis de baixa emissão (podendo ser solar, eólica, pequenas centrais hidrelétricas, biomassa, etc) e a redução de 20% das emissões de dióxido de carbono (CO2) em relação ao inventário de 2017.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia