Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

10/01/2020 - 19h22min. Alterada em 10/01 às 19h39min

Bolsas de Nova Iorque fecham em queda com sanções dos EUA contra Irã e dados do payroll

As bolsas de Nova Iorque fecharam em queda nesta sexta-feira (10), em movimento de inversão de ganhos influenciado pelo detalhamento das sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos ao Irã, assim como pelos dados do relatório de emprego americano (payroll) que decepcionou o mercado. Antes da mudança de humor dos investidores, contudo, o índice Dow Jones chegou a bater a marca histórica de 29 mil pontos, o que se perdeu ao longo do dia.
As bolsas de Nova Iorque fecharam em queda nesta sexta-feira (10), em movimento de inversão de ganhos influenciado pelo detalhamento das sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos ao Irã, assim como pelos dados do relatório de emprego americano (payroll) que decepcionou o mercado. Antes da mudança de humor dos investidores, contudo, o índice Dow Jones chegou a bater a marca histórica de 29 mil pontos, o que se perdeu ao longo do dia.
O índice Dow Jones fechou em queda de 0,46%, a 28.823,77 pontos, com elevação semanal de 1,21%. O S&P 500 recuou 0,29% a 3.265,35, mas subiu 1,41% na comparação semanal. O Nasdaq fechou em queda de 0,27%, a 9.178,86 pontos. Na comparação semanal houve alta de 2,30%.
Destaque para ações da Alphabet (controladora do Google), que encerraram o pregão em valorização de 0,65%, no dia em que o vice-presidente de desenvolvimento corporativo e jurídico da empresa anunciou sua aposentadoria. A Netflix fechou em queda de 1,97% e a Boeing caiu 1,91%.
As bolsas começaram a indicar movimento de queda durante a coletiva de imprensa dos secretários de Estado e do Tesouro americanos, Mike Pompeo e Steven Mnuchin, respectivamente, detalhando sanções econômicas contra o Irã, que vão atingir setores da construção, indústria e também contra autoridades do país persa.
A notícia ampliou a cautela que já vinha desde a divulgação do payroll de dezembro. As vagas criadas no país no mês passado - 145 mil - ficaram dentro das previsões de analistas consultados pelo Projeções Broadcast, que variavam de 125 mil a 210 mil vagas, mas abaixo da mediana, de 159,5 mil. Embora a taxa de desemprego não tenha se alterado de novembro para dezembro, permanecendo em 3,5%, o salário médio por hora dos trabalhadores aumentou 0,11% de novembro para dezembro, enquanto analistas esperavam ganhos maiores, de 0,3%.
Para a economista do Citi Veronica Clark, os dados do payroll não devem mudar a decisão do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) de manter a taxa de juros inalterada. "Neste contexto, o payroll não deve afetar a política do Federal Reserve de manter os juros estáveis neste mês e em todo 2020", avaliou. "O Fed só voltaria a baixar os juros se ocorrer uma intensa perda de ritmo da economia, puxada provavelmente por redução expressiva das compras das famílias", completou a analista.
Em meio à menor tensão geopolítica no Oriente Médio, contudo, as bolsas de Nova York iniciaram o dia no azul. Investidores também mantinham otimismo com a confirmação da assinatura do acordo comercial "fase 1" entre EUA e China, mas aguardavam dados do mercado trabalho americano.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia