Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 08 de janeiro de 2020.
Dia Nacional do Fotógrafo.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

08/01/2020 - 16h49min. Alterada em 08/01 às 16h49min

Ouro fecha em queda com menor busca por segurança com recuo na tensão EUA-Irã

Os contratos futuros do ouro fecharam em queda nesta quarta-feira (8), em meio ao recuo nas tensões entre os Estados Unidos e o Irã, após o país persa ter atacado ontem bases no Iraque que abrigam tropas americanas. A ação iraniana foi uma resposta ao assassinato do general Qassim Suleimani, que comandava as forças Quds, da Guarda Revolucionária do Irã.
Os contratos futuros do ouro fecharam em queda nesta quarta-feira (8), em meio ao recuo nas tensões entre os Estados Unidos e o Irã, após o país persa ter atacado ontem bases no Iraque que abrigam tropas americanas. A ação iraniana foi uma resposta ao assassinato do general Qassim Suleimani, que comandava as forças Quds, da Guarda Revolucionária do Irã.
Com isso, o ouro para fevereiro caiu 0,90%, a US$ 1.560,2 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).
O alívio no conflito entre os dois países, que já era sentido pelo mercado, se consolidou após um pronunciamento do presidente americano, Donald Trump, no início da tarde.
O líder da Casa Branca disse que vai impor sanções econômicas adicionais ao Irã "imediatamente", mas afirmou que o país persa "parece estar se resignando, o que é uma coisa boa".
"Os EUA e Irã parecem evitar um conflito maior", analisa o BBVA.
Ontem, logo após o lançamento dos mísseis iranianos contra as bases de Al Asad e Erbil, o chanceler do Irã, Mohammad Javad Zarif, foi ao Twitter dizer que o país não buscava "escalada do conflito ou guerra" e Trump escreveu que estava "tudo bem".
O Western Union ressalta que os ataques do Irã não deixaram nenhuma vítima e que a "ordem" foi restaurada nos mercados após o medo inicial de uma crise maior. "O mercado continua com esperanças de que a troca de golpes entre Washington e Teerã não se deteriore em um grande conflito militar", comenta Joe Manimbo, analista sênior de mercado do banco.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia