Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de dezembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Transportes

16/12/2019 - 12h46min. Alterada em 16/12 às 13h50min

Caminhoneiros ameaçam com nova paralisação

Mobilização começou a circular em grupos de WhatsApp nos últimos dias e é apoiada pela CNTTL

Mobilização começou a circular em grupos de WhatsApp nos últimos dias e é apoiada pela CNTTL


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Uma nova paralisação de caminhoneiros pode ter início ainda nesta segunda-feira (16) em várias regiões do País. A mobilização, que começou a circular em grupos de WhatsApp nas últimas semanas, é apoiada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logísticas (CNTTL), ligada à Central Única dos Trabalhadores (CUT).
Uma nova paralisação de caminhoneiros pode ter início ainda nesta segunda-feira (16) em várias regiões do País. A mobilização, que começou a circular em grupos de WhatsApp nas últimas semanas, é apoiada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logísticas (CNTTL), ligada à Central Única dos Trabalhadores (CUT).
O movimento dos caminhoneiros, porém, está completamente dividido em relação a uma nova greve. O caminhoneiro Wallace Landim, o "Chorão", que tem representado os pleitos dos caminhoneiros na interlocução com o governo, disse que a classe está sendo alvo de interesses políticos e que os principais pedidos dos trabalhadores já estão com data para que sejam atendidos.
Nas redes sociais, representantes da CUT têm divulgado vídeos nos quais negam motivações políticas. "Estão tentando desvirtuar o movimento, com essa história de que se trata de um movimento político. Quem faz isso tenta desmobilizar a classe, é covarde", afirmou Sandro Cesar, presidente da CUT no Rio de Janeiro, em vídeo distribuído entre caminhoneiros.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia