Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de dezembro de 2019.
Dia Internacional dos Voluntários.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

05/12/2019 - 17h29min. Alterada em 05/12 às 17h29min

Ouro fecha em alta em meio a dúvidas sobre acordo comercial e dólar baixo

Os contratos futuros do ouro fecharam em alta nesta quinta-feira (5), em meio a expectativas mistas sobre a assinatura da chamada "fase 1" do acordo comercial entre Estados Unidos e China. Além disso, o dólar em baixa também apoiou o metal precioso.
Os contratos futuros do ouro fecharam em alta nesta quinta-feira (5), em meio a expectativas mistas sobre a assinatura da chamada "fase 1" do acordo comercial entre Estados Unidos e China. Além disso, o dólar em baixa também apoiou o metal precioso.
O ouro para dezembro avançou 0,20%, em US$ 1.476,90 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).
O Ministério do Comércio da China reforçou, durante a madrugada no Brasil, que as negociações comerciais entre americanos e chineses continuam em andamento, apesar de pontos de tensão em torno de projetos de lei de Washington que apoiam direitos humanos em Hong Kong e Xinjiang.
O porta-voz do ministério, Gao Feng, afirmou que o acordo preliminar entre os dois países deve incluir a retirada de tarifas punitivas.
O presidente americano, Donald Trump, no entanto, disse pouco depois do fechamento do ouro, que "algo pode acontecer" em relação à elevação de tarifas dos EUA sobre produtos da China prevista para 15 de dezembro, mas que o assunto ainda não está sendo discutido.
Na avaliação de Daniel Briesemann, analista de metais do Commerzbank, a queda do dólar nesta quinta em relação a divisas rivais "deu apoio ao ouro" e permitiu que a commodity recuperasse algumas perdas da quarta.
Para o especialista, a baixa da moeda americana se deve a números abaixo do esperado do setor privado no mercado de trabalho dos EUA, divulgados na quarta pelo ADP, e que colocam pressão sobre o relatório de emprego (payroll) que será divulgado na manhã desta sexta-feira.
"Os dados do mercado de trabalho do ADP - apenas metade dos novos empregos esperados foram criados em novembro - podem apontar para um fraco relatório oficial do mercado de trabalho dos EUA amanhã. Isso poderia dar mais impulso ao ouro no fim da semana", afirma Briesemann.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia