Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de dezembro de 2019.
Dia Internacional dos Voluntários.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

siderurgia

Edição impressa de 05/12/2019. Alterada em 04/12 às 21h31min

ArcelorMittal aposta em negociação sobre taxa

Donald Trump anunciou nova taxação sobre o aço do Brasil

Donald Trump anunciou nova taxação sobre o aço do Brasil


GEORGE FREY/AFP/JC
Jefferson Klein

A declaração do presidente norte-americano Donald Trump sobre a retomada das tarifas sobre o aço e o alumínio que entram nos Estados Unidos a partir do Brasil e da Argentina preocupou o setor siderúrgico nacional. No entanto, o CEO da ArcelorMittal Aços Longos Latam, Jefferson de Paula, considera que o tema pode ser negociado entre as duas nações. "Penso que vai se chegar a um bom termo", projeta.

A declaração do presidente norte-americano Donald Trump sobre a retomada das tarifas sobre o aço e o alumínio que entram nos Estados Unidos a partir do Brasil e da Argentina preocupou o setor siderúrgico nacional. No entanto, o CEO da ArcelorMittal Aços Longos Latam, Jefferson de Paula, considera que o tema pode ser negociado entre as duas nações. "Penso que vai se chegar a um bom termo", projeta.

O executivo enfatiza que o tema ainda não é algo oficial e se baseia em uma postagem de Trump no Twitter sobre o assunto, sem indicar os percentuais que seriam impostos. "Temos que esperar se isso vai em frente", sustenta. Porém o CEO admite que é uma situação difícil para a siderurgia nacional. Segundo De Paula, causa um pouco de estranheza o presidente Trump querer taxar o aço brasileiro que segue para os Estados Unidos, porque a maioria do material que é exportado para lá é de semiacabados, placas, não se tratando de produto final. O dirigente detalha que os norte-americanos são importadores desses produtos por não terem capacidade suficiente para atender à sua demanda. "A gente não entende bem isso, porque os Estados Unidos precisam importar placas", reitera.

Quanto a projeções para o próximo ano, De Paula adverte que a economia externa não deverá ajudar o Brasil a crescer. O executivo ressalta que o PIB mundial está em declínio, além da questão da briga comercial entre China e Estados Unidos. No cenário mais próximo, o CEO da ArcelorMittal Aços Longos Latam cita a situação política e social conturbada na América do Sul, com dificuldades enfrentadas em países como Chile, Bolívia, Equador e Venezuela.

Sobre o ambiente interno, De Paula se diz moderadamente otimista, afirmando que o País segue no caminho correto, tendo aprovado a reforma da Previdência e com a perspectiva de tratar da reforma tributária no primeiro semestre do próximo ano. "O que pode atrapalhar é a instabilidade política que o Brasil vive", argumenta. O executivo frisa que essa questão inibe os investimentos externos.

No caso da ArcelorMittal no Brasil, De Paula informa que a empresa investe em torno de
R$ 1 bilhão todo o ano, e a previsão é continuar no mesmo ritmo em 2020. O dirigente foi o palestrante da reunião-almoço promovida pela Associação do Aço do Rio Grande do Sul (AA-RS) nessa quarta-feira, em Porto Alegre.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia