Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de dezembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

03/12/2019 - 09h22min. Alterada em 03/12 às 11h13min

PIB do Brasil cresce 0,6% no 3º trimestre, diz IBGE

Na relação com o mesmo período do ano passado, a economia avançou 1,2%

Na relação com o mesmo período do ano passado, a economia avançou 1,2%


LUIZA PRADO/JC
O avanço de 0,6% no Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre, na comparação com o segundo trimestre do ano, foi a maior variação nessa ótica de comparação desde o primeiro trimestre de 2018, quando a alta foi de 0,7% ante o quarto trimestre de 2017, informou nesta terça-feira (3) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
O avanço de 0,6% no Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre, na comparação com o segundo trimestre do ano, foi a maior variação nessa ótica de comparação desde o primeiro trimestre de 2018, quando a alta foi de 0,7% ante o quarto trimestre de 2017, informou nesta terça-feira (3) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Na passagem do segundo para o terceiro trimestre deste ano, o avanço de 0,8% no PIB da indústria foi a maior variação desde o quarto trimestre de 2014, quando a alta foi de 0,8% ante o terceiro trimestre daquele ano.
O PIB industrial foi puxado pelo desempenho da indústria extrativa, que saltou 12,0% na comparação com o segundo trimestre deste ano. Essa foi a maior alta para o PIB das extrativas nessa base de comparação desde o quarto trimestre de 2003, 16 anos atrás, quando o avanço em relação ao terceiro trimestre daquele ano foi de 12,2%.
Na comparação com iguais períodos dos anos anteriores, a alta de 4,0% no PIB da indústria extrativa foi a maior variação desde o quarto trimestre de 2018, quando o avanço foi de 4,4% sobre os três últimos meses de 2017.
Ainda nessa base de comparação, a alta de 1,0% no PIB industrial do terceiro trimestre deste ano foi o melhor desempenho desde o primeiro trimestre de 2018, quando o avanço sobre igual período de 2017 foi também de 1,0%.
Nessa base de comparação, a indústria da construção civil também foi destaque. A alta de 4,4% ante o terceiro trimestre de 2018 foi a maior desde o primeiro trimestre de 2014, quando houve crescimento de 8,2% ante os três primeiros meses de 2013.
Foi a segunda alta nas comparações com os iguais trimestres de anos anteriores (no segundo trimestre de 2019, houve alta de 2,4% ante igual período de 2018), quebrando uma sequência de 20 trimestres de queda na construção civil.
O IBGE revisou o PIB do segundo trimestre de 2019 ante o primeiro trimestre de 2019, de 0,4% para 0,5%.
Já o PIB do primeiro trimestre de 2019 ante o do quarto trimestre de 2018 foi alterado de -0,1% para 0,0%. O instituto também revisou o PIB de 2018 de alta de 1,1% para alta de 1,3%.
A taxa de poupança ficou em 13,5% do PIB no terceiro trimestre de 2019, segundo o IBGE. Já a taxa de investimento ficou em 16,3% no terceiro trimestre de 2019.
Segundo o IBGE, as exportações recuaram 2,8% no terceiro trimestre de 2019 em relação ao segundo trimestre de 2019. Na comparação com o terceiro trimestre de 2018, as exportações mostraram queda de 5,5%.
As importações contabilizadas no PIB, por sua vez, subiram 2,9% no terceiro trimestre de 2019 em relação ao segundo trimestre de 2019. Na comparação com o terceiro trimestre de 2018, as importações mostraram alta de 2,2%.
A contabilidade das exportações e importações no PIB é diferente da realizada para a elaboração da balança comercial.
No PIB, entram bens e serviços, e as variações porcentuais divulgadas dizem respeito ao volume. Já na balança comercial, entram somente bens, e o registro é feito em valores, com grande influência dos preços.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia