Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 02 de dezembro de 2019.
Dia Nacional do Astrônomo. Dia do Samba. Dia Pan-Americano da Saúde.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 02/12 às 08h05min

Bolsas da Ásia fecham em alta generalizada com recuperação da manufatura chinesa

As bolsas asiáticas fecharam em alta generalizada nesta segunda-feira (2), à medida que dados animadores sobre a manufatura chinesa ajudaram a desviar a atenção dos investidores dos últimos entraves às negociações comerciais entre Estados Unidos e China.
As bolsas asiáticas fecharam em alta generalizada nesta segunda-feira (2), à medida que dados animadores sobre a manufatura chinesa ajudaram a desviar a atenção dos investidores dos últimos entraves às negociações comerciais entre Estados Unidos e China.
Nos últimos dias, pesquisas mostraram que a atividade manufatureira da China está se recuperando, embora o país asiático continue num impasse em seu diálogo comercial com os EUA.
Segundo levantamento da IHS/Markit, o índice de gerentes de compras (PMI) do setor industrial chinês avançou de 51,7 em outubro para 51,8 em novembro, atingindo o maior patamar desde dezembro de 2016 e marcando o quarto mês consecutivo de expansão. Já a sondagem oficial de Pequim, que usa uma metodologia diferente, estimou que o PMI da indústria chinesa subiu de 49,3 para 50,2 no mesmo período, com a leitura acima de 50 apontando expansão da manufatura local pela primeira vez em sete meses.
Nos mercados acionários da China continental, o Xangai Composto teve leve alta de 0,13%, a 2.875,81 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 0,22%, a 1.596,60 pontos. Em Hong Kong, o Hang Seng subiu 0,37%, a 26.444,72 pontos.
Apesar do apetite por risco na Ásia, incertezas continuam rondando as negociações comerciais entre EUA e China. Na semana passada, o presidente americano, Donald Trump, sancionou legislação que apoia os manifestantes pró-democracia em Hong Kong. O gesto de Trump, que gerou promessas de retaliação por Pequim, veio num momento em que as duas maiores economias do mundo tentam fechar um acordo comercial preliminar. No próximo dia 15, um novo aumento de tarifas dos EUA sobre importações chinesas está previsto para entrar em vigor.
Em outras partes da região asiática, o japonês Nikkei teve expressiva alta de 1,01% em Tóquio nesta segunda, a 23.529,50 pontos, alcançando o maior nível em cerca de 14 meses, enquanto o sul-coreano Kospi subiu 0,19% em Seul, a 2.091,92 pontos, e o Taiex registrou ganho de 0,12% em Taiwan, a 11.502,83 pontos.
Na Oceania, a bolsa australiana seguiu o tom positivo da Ásia, e o S&P/ASX 200 avançou 0,24% em Sydney, a 6.862,30 pontos.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia